Vídeo: exemplo a ser seguido no Ceará, Portugal leva a sério movimento “Fica em Casa”

Diferente do que se vêm em Fortaleza e alguns municípios do Ceará, onde as pessoas caminham tranquilas e comércios seguem abertos (mesmo com a multa de R$ 50 mil prevista) a cidade portuguesa do Porto segue à risca a questão do isolamento


Equipe Focus.Jor
focus@focus.jor.br

Após o governador Camilo Santana apelar para que a população não saia de casa e leve a sério o isolamento por conta do coronavírus, há ainda quem desobedeça e acredite se tratar de uma “gripezinha”.

Diferente do que se vêm em Fortaleza e alguns municípios do Ceará, onde as pessoas caminham tranquilas e comércios seguem abertos (mesmo com a multa de R$ 50 mil prevista) a cidade portuguesa do Porto segue à risca a questão do isolamento. Lá, pelo visto, não se brinca com a sorte. Nem com o covid-19.

No Ceará já foram registrados 68 casos de coronavírus. A transmissão também já se tornou comunitária – quando não é mais possível detectar a origem da infecção.

Abaixo, o vídeo da cidade do Porto publicado pelo portal Porto.:

Leia Mais
+Urgente: Roberto Cláudio testa positivo para coronavírus
+Brasil já usa cloroquina para casos graves do COVID-19 e inicia produção em massa do medicamento
+Cloroquina, antigo e barato medicamento, pode ser a luz no fim do túnel contra a COVID-19
+Possível efeito colateral do COVID-19: eleições adiadas e mandatos de prefeitos e vereadores prorrogados
Coronavírus e dilemas democráticos: o prazo das eleições será contaminado? Por Raquel Cavalcanti
+Sobe para 904 número de casos de coronavírus no País; 11 mortes confirmadas
+Moro restringe entrada de estrangeiros nos aeroportos brasileiros; medida vale a partir do dia 23
+Prisco é diagnosticado com coronavírus
+Senado aprova estado de calamidade pública por coronavírus
+Governo facilita liberação de R$ 10 bi a planos de saúde para evitar sobrecarga do sistema
+Bolsonaro: crescimento econômico do Brasil ficará estagnado em 2020
+Ceará e Fortaleza colocam CTs à disposição no combate ao coronavírus
+A nova justiça com o Covid-19, por Frederico Cortez