Brasil já usa cloroquina para casos graves do COVID-19 e inicia produção em massa do medicamento

“Temos capacidade de produção, já estamos produzindo e está na prateleira dos pacientes graves", declarou o ministro da Saúde durante conferência com presidente Jair Bolsonaro e empresários


Vacina. Foto: Getty Images/BBC.

Equipe Focus.Jor
focus@focus.jor.br

O Governo Federal já “validou” e iniciou o fornecimento de cloroquina, medicamento usado no combate à malária, para o tratamento de pacientes em estado grave acometidos pelo coronavírus.

De acordo com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, o País tem capacidade para produzir o remédio em larga escala.  A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) passou exigir receita médica para evitar o uso indiscriminado.

“Temos capacidade de produção, já estamos produzindo e está na prateleira dos pacientes graves”, declarou o ministro da Saúde durante conferência com presidente Jair Bolsonaro e empresários. As informações são do Estadão.

Conforme publicado pelo Focus, a cloroquina é um fármaco com mais de 70 anos de existência. Como sua patente é livre, as chances de produção de um medicamento que freie o avanço do coronavírus e imunize a população é grande. Da produção à distribuição,

Leia Mais
+Cloroquina, antigo e barato medicamento, pode ser a luz no fim do túnel contra a COVID-19
+Possível efeito colateral do COVID-19: eleições adiadas e mandatos de prefeitos e vereadores prorrogados
Coronavírus e dilemas democráticos: o prazo das eleições será contaminado? Por Raquel Cavalcanti
+Sobe para 904 número de casos de coronavírus no País; 11 mortes confirmadas
+Moro restringe entrada de estrangeiros nos aeroportos brasileiros; medida vale a partir do dia 23
+Prisco é diagnosticado com coronavírus
+Senado aprova estado de calamidade pública por coronavírus
+Governo facilita liberação de R$ 10 bi a planos de saúde para evitar sobrecarga do sistema
+Bolsonaro: crescimento econômico do Brasil ficará estagnado em 2020
+Ceará e Fortaleza colocam CTs à disposição no combate ao coronavírus
+A nova justiça com o Covid-19, por Frederico Cortez