Maia Jr fala sobre restrições a restaurantes: “É natural que setores contingenciados se voltem contra esse processo”

Titular da Sedet explica que, com as medidas restritivas, apenas 5% da economia cearense foi afetada


Equipe Focus
focus@focus.jor.br

As restrições impostas pelo decreto do Governo do Estado têm causado revolta a diversos setores da economia cearense, entre eles o de bares e restaurantes. Para o titular da Sedet, Maia Júnior, esse processo é “natural”.

Ele explica, no entanto, que apenas 5% da economia foi afetada com as medidas. “É lógico que esses setores que estão sendo contingenciados através de uma restrição nesse segundo momento, se voltem contra esse processo. Nós precisamos ter a responsabilidade e fazermos esforço para o isolamento social”, destacou, reforçando a necessidade de conter uma eventual segunda onda da COVID-19 no Estado.

Maia também lembrou que o ano de 2020 foi um aprendizado para todos. “Ano passado criamos um lockdown para 25% da economia. Tivemos consequências nas atividades econômicas e muitas pressões. Soubemos administrar e aprendemos com o processo. Fizemos uma retomada muito bem estruturada”, destacou.

Abaixo, Maia Júnior fala sobre as restrições e os avanços para conter a COVID-19 no Ceará

Leia Mais
+Coco Bambu demite 147 colaboradores e ameaça encerrar atividades no Ceará
+Para evitar nova onda de demissões e fechamentos no CE, bares e restaurantes pedem ampliação de horário e isenção de impostos
+Novo decreto fecha parques aquáticos e libera até 22h restaurantes de hotéis e pousadas no Ceará