Defesa de Adélio tentou chamar Lula, Maria do Rosário e Jean Wyllys como testemunhas

Pedidos foram rejeitados pelo Ministério público que rechaçou a ideia afirmando que nenhum deles presenciou o fato ou teve contato direto com o agressor


Adélio está preso no Presídio Federal de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul. Foto: Reprodução

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

A defesa de Adélio Bispo tentou chamar o ex-presidente Lula, a deputada Maria do Rosário, e o ex-deputado Jean Wyllys como testemunhas em seu favor.

De acordo com O Antagonista, o objetivo era mostrar que o comportamento de Jair Bolsonaro teria contribuído para o atentado, motivando Adélio a cometer o crime. Todas as “testemunhas” teriam criticado Bolsonaro.

Os pedidos foram rejeitados pelo Ministério público que rechaçou a ideia afirmando que nenhum deles presenciou o fato ou teve contato direto com o agressor.

Leia Mais
+Juiz determina que Adélio tem “transtorno delirante persistente” e é inimputável