Juiz determina que Adélio tem “transtorno delirante persistente” e é inimputável

O homem que agrediu o então candidato Bolsonaro à fava está preso no Presídio Federal de Campo Grande (MS) onde deve permanecer até o julgamento.


Adélio está preso no Presídio Federal de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul. Foto: reprodução

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O juiz da 3ª Vara Federal de Juiz de Fora, Bruno Salvino, decidiu que Adélio Bispo de Oliveira, que tentou matar o presidente Jair Bolsonaro durante a campanha eleitoral, é inimputável e que, portanto, não pode ser responsabilizado judicialmente por seus atos. Segundo o juiz, todos os peritos ouvidos, tantos da defesa como da acusação, atestaram que Adélio sobre de “Transtorno delirante Persistente”. A informação é do site Crusoé.

Segundo Nota divulgado pelo Magistrado, “quanto a avaliação sobre a capacidade de entendimento de caráter ilícito do fato e a capacidade de determinação do acusado, suas conclusões oscilaram entre a inimputabilidade e a semi-inimputabilidade”.

Adélio está preso no Presídio Federal de Campo Grande, em Mato Grosso do Sul, onde deve permanecer até o julgamento, por decisão de Bruno Salvino. Após o julgamento, prevalecendo o entendimento de inimputabilidade, Adélio deve ser encaminhado para o Manicômio judiciário.