Waldery X Mansueto: a briga de foice dos dois influentes cearenses no Ministério da Economia

Preocupado com o conflito, o ministro Paulo Guedes chegou a convocar uma reunião para apaziguar os ânimos entre os dois.


Que tal convocar o governador do Ceará para mediar o conflito entre dois influentes cearenses no comando da política econômica do Brasil?

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Azedou de vez a relação entre o secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, e o secretário do Tesouro, Mansueto Almeida. A relação Walderi X Mansueto já vinha aos trancos e barrancos e chegou ao ápice com a declaração de Waldery, que é natural de Missão Velha, de que Mansueto, que é de Fortaleza, deixaria o cargo.

Embora tecnicamente subordinado á Secretaria de Waldery, Mansueto é visto como um dos mais influentes integrantes do time que assessora Guedes. Mais que isso: o economista graduado pela UFC é considerado pelo mercado um dos fiadores do processo de consolidação do ajuste fiscal, tanto que o projeto de reformas na área foi batizado de “Plano Mansueto”.

Segundo o Estadão, Guedes chegou a convocar uma reunião para que os dois cearenses acertassem os ponteiros. “Ficou acertado que Mansueto ficaria no Tesouro por mais tempo, apesar da sua intenção de deixar o cargo. Guedes propôs a Mansueto que acumulasse também o cargo de secretário-executivo do Conselho Fiscal da República, órgão previsto na Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo, que mal começou a tramitar no Senado”.

A reportagem relata ainda que Waldery é considerado um integrante que joga na “defesa”, com perfil muito centralizador. “Ele foi convidado para o cargo depois de Mansueto ter preferido ficar no Tesouro, durante a transição. A saída de Colnago de sua equipe é considerada pelos técnicos uma perda muito grande para a gestão fiscal, situação que se agravaria com uma eventual saída de Mansueto”.

Leia Mais
+Governadores do Nordeste pedem a implementação do Plano Mansueto
+Bolsonaro envia “Plano Mansueto” ao Congresso