Visita de Doria ao Ceará expõe PSDB dividido e Tasso não hegemônico

Discreta e com baixa cobertura da imprensa, visita do tucano foi vista como um chute na canela do senador licenciado e sinal de que sigla não chegará inteira na sucessão de Camilo Santana.


João Doria discursa ladeao por parlamentares, o prefeito obertopessoa e o ex-governador Lúcio Alcântara.

Por Fábio Campos
fabiocampos@focus.jor.br

Embora discreta e com baixa cobertura da imprensa, a visita de João Doria ao Ceará foi vista como um chute na canela de Tasso Jereissati. Afinal, havia a ideia de que o PSDB do Estado fecharia com a posição do senador licenciado em relação às primárias que vão escolher o candidato da sigla a presidente da República.

No Ceará, Doria levou para seu palanque políticos com mandato como o prefeito de Maracanaú, Roberto Pessoa, o deputado federal Danilo Forte, e os deputados estaduais Fernanda Pessoa e Nelinho Freitas. Presentes também políticos sem mandato, mas com relevância histórica como o ex-senador e ex-governador Lúcio Alcântara.

O quadro antecipa que o PSDB local terá problemas também na disputa para o Governo do Ceará. Afinal, o grupo que deu apoio a Doria na corrida contra o candidato de Tasso, Eduardo Leite, se posiciona na oposição a Camilo Santana e ao grupo político comandado por Ciro e Cid Gomes, que refizeram suas relações com o senador licenciado.

“Não tenho a menor dúvida, Doria, de que você é quem melhor reúne as condições para governar o Brasil. O senhor pode fazer uma transformação neste país. E o momento para o PSDB dar sua contribuição vai ser agora, dia 21 de novembro. A melhor contribuição para o Brasil de hoje é indicar João Doria a presidente da República”, declarou Danilo Forte no encontro.

Sérgio Resende, João Doria e Emília Buarque.

Em jantar na casa da presidente do Lide Ceará, Emília Buarque, Doria, que é fundador da entidade, fez uma dura declaração contra a ruptura com o teto de gastos: “É crime. E além de ser crime, que afronta à constituição, afronta à lei, quem vai pagar esta conta são os mais pobres”. Para Doria, a inflação leva ao desemprego e aumenta o flagelo. “Salva o projeto eleitoral do Bolsonaro talvez, mas afunda ainda mais o país.”

Fábio Campos

Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), foi repórter de política e articulista do O Povo, o mais tradicional veículo de jornalismo impresso do Ceará, onde editou a Coluna Política por 14 anos (1996-2010) e a Coluna Fábio Campos por sete anos (2010-2017). Também foi editorialista do mesmo veículo entre 2013 e 2017. Concomitantemente às funções no jornal, editou o Anuário do Ceará por 15 anos, modernizando o conteúdo e o projeto gráfico da prestigiada publicação. Apresentou o programa Jogo Político na TV O Povo por 12 anos, ancorou o programa Contraponto na TV Cidade (Record), foi comentarista de política na TV Jangadeiro (SBT) e na rádio O Povo/CBN. Em agosto de 2017 iniciou a startup Focus.jor.