Vacina de Oxford tem eficácia de 70% com uma dose, afirma coordenadora de ensaios clínicos da entidade

A médica Sue Ann Costa Clemens detalhou que não é possível dispensar a segunda dose do imunizante. Isso se deve à falta de estudos que demonstrem a durabilidade dos anticorpos adquiridos na primeira aplicação


Vacina que está sendo desenvolvida pela Universidade de Oxford Foto: JUSTIN TALLIS / AFP.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Ainda que existam dúvidas sobre a vacinação no País, o imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford (que será em breve aplicada na população brasileira) tem eficácia de 70% na primeira dose.

A afirmação é da coordenadora dos ensaios clínicos do imunizante no Brasil, Sue Ann Costa Clemens.

A médica detalhou ao O Globo que não é possível dispensar a segunda dose do imunizante. Isso se deve à falta de estudos que demonstrem a durabilidade dos anticorpos adquiridos na primeira aplicação.

Confira alguns trechos da entrevista abaixo

Muitos países, por falta de doses suficientes para imunizar todos os grupos de risco, estão aumentando o intervalo entre as duas aplicações. A medida afetaria a eficácia do imunizante de Oxford ou seria uma solução possível?

“A vacina demonstra uma eficácia de 70% com uma dose, e desde o início nós apostamos que essa era uma vacina de uma dose — para depois darmos apenas um reforço. Nos testes no Reino Unido, demos a segunda dose com um intervalo maior, vacinamos com intervalos de até 12 semanas. Lá, mais de 8 mil pessoas entraram no grupo que recebeu a segunda aplicação após mais de oito semanas. Não tínhamos essa análise totalmente detalhada em novembro, para a primeira publicação na (revista científica) Lancet. Mas o estudo continua e, com a análise desses dados, já submetemos esse intervalo para aprovação no Reino Unido, onde isso consta na bula.”

O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, já afirmou que pretende espaçar o intervalo entre as doses no Brasil.

“Sim, e é o certo a se fazer. Isso propicia uma estratégia de saúde pública muito mais ampla, dá mais tempo para a Fiocruz produzir as doses e atuar no país como um todo. Muita gente critica o nosso país por não ter começado a vacinação — mas muitos começaram para dizer que estão fazendo, sem estratégia. Vários países da Europa estão preocupadíssimos porque receberam doses de determinada marca, vacinaram uma parcela da população, e estão sem doses para continuar. E, com a vacina da Fiocruz, ficou demonstrado que com uma dose ela já faz a imunização primária, você está protegido em 70%. As outras vacinas só mostram eficácia depois das duas doses. A nossa começa a produzir imunidade celular em 15 dias, e em 28 dias, a imunidade humoral.”

Quanto mais tempo a vacinação demora, mais o coronavírus pode se transformar e ficar mais perigoso. A vacina protege contra as novas linhagens?

“Oxford está bem adiantada nessas pesquisas, no fim do mês deve sair o resultado sobre a variante do Reino Unido, e em breve também os dados de eficácia contra a variante da África do Sul.”