Under 30: veja lista de jovens brasileiros mais influentes eleitos pela Forbes

Os nomes entraram na lista de diversas formas diferentes; entre aqueles que se inscreveram (ou foram indicados pelos leitores) na plataforma Under 30 do site da Forbes, entre os que foram sugeridos pelos líderes e especialistas das respectivas áreas e entre os nomes pesquisados pelos jornalistas da revista


Fotomontagem Under 30. Foto: Forbes.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Já tradicional desde 2014, ano de sua primeira publicação, a lista Forbes Under 30 traz, anualmente, os mais brilhantes empreendedores, criadores e game-changers brasileiros abaixo dos 30 anos. Em 2020, a Under 30 selecionou seis nomes em cada uma das 15 categorias.

Os nomes entraram na lista de diversas formas diferentes; entre aqueles que se inscreveram (ou foram indicados pelos leitores) na plataforma Under 30 do site da Forbes, entre os que foram sugeridos pelos líderes e especialistas das respectivas áreas e entre os nomes pesquisados pelos jornalistas da Forbes.

Entre os nomes de destaque, estão Manu Gavassi na categoria “Marketing e Publicidade”, Pedro Sampaio na categoria “Música” e Gkay na categoria “Web”. Outros nomes destacados na lista são os de Nath Finanças, da atriz Jessica Ellen, do ator Humberto Carrão, do cantor Gustavo Mioto, do youtuber Luccas Neto, dos jogadores Brenner e Richarlison, de Enzo Celulari e de Lorrane Silva, a ‘Pequena Lo”.

As categorias são as seguintes: Arte (artes plásticas e literatura); Artes dramáticas (cinema, teatro e televisão); Ciência e educação; Design, arquitetura e urbanismo; Esportes; Finanças e venture capital; Gastronomia; Indústria (inclui infraestrutura e logística); Marketing e publicidade; Moda; Música; Tecnologia e inovação; Terceiro setor e empreendedorismo social; Varejo e e-commerce; e Web (inclui e-sports).

Para a formulação da lista, a Forbes contou com a colaboração de diversos jornalistas, listados como especialistas e cada candidato foi avaliado segundo uma série de critérios e métricas objetivas e subjetivas, como faturamento, criatividade, ineditismo, benefícios sociais reais e projetados, número de pessoas impactadas e potencial de transformação no setor, no mercado, na comunidade, no país e no mundo.