Um terço da bancada do PDT votou pela nova Previdência contra a vontade do comando

E agora? Se expulsar, vai tirar força do partido no Congresso. Se não expulsar, desmoraliza o comando.


Ciro, Lupi e André Figueiredo, o trio de comando do PDT, ao lado da rebelde Tabata. O que fazer?

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O PDT entrou numa enrascada política difícil de sair. Fechou questão contra a reforma da Previdência e anunciou que expulsaria os desobedientes. Porém, oito deputados federais da sigla foram rebeldes e votaram a favor. É praticamente um terço da bancada.

E agora? Se expulsar, vai tirar força do partido no Congresso. Se não expulsar, desmoraliza o comando.

Trata-se de um problema. Afinal tanto Ciro Gomes, líder inconteste da sigla, quanto o seu presidente nacional, o carioca Carlos Lupi, se envolveram pessoalmente na decisão de fechar questão. Lupi chegou a reunir a bancada e Ciro telefonou para Tabata Amaral, a líder dos rebeldes. De nada adiantou.

Veja a lista dos pedetistas rebeldes: Alex Santana (BA), Flavio Nogueira (PI), Gil Cutrim (MA), Jesus Sérgio (AC), Marlon Santos (RS), Silvia Cristina (RO), Subtenente Gonzaga (MG) e Tabata Amaral (SP).