Troller em Horizonte: Ford deu “nó” em compradores e negócio permanece no limbo

Titular da Sedet, Maia Jr, afirma que negocia com duas empresas a aquisição do ativo. O problema, no entanto, são as condições impostas pelos norte-americanos para desatar o nó


Troller. Um dos ícones da Ford produzido em Horizonte. Foto: Divulgação

Átila Varela
atila@focus.jor.br

A fábrica da Troller no Ceará, cuja dona é a Ford, segue no limbo. Com a massa de trabalhadores demitida e as operações encerradas, o jipe que ganhou os brasileiros não voltará à produção caso dependa exclusivamente da vontade da montadora norte-americana.

Isso ocorre porque a companhia deu um “nó” em possíveis interessados em adquirir a fábrica localizada em Horizonte. Ao Focus, o titular da Secretaria do Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), Maia Jr, afirmou que desistiu de buscar tratativas com os norte-americanos.

“Já desisti (de tratar com a empresa). A Ford deu um nó para quem quiser adquirir a unidade. Não querem vender uma marca consolidada, as matrizes de produção e nem deixar produzir o jipe Troller”, ressaltou.

De acordo com o secretário, as condições impostas pela Ford foram comprar a marca, mas não utilizá-la nos veículos; não poder usar o design do jipinho e ter de desenvolver um novo projeto de automóvel – mas tudo sem trazer referência alguma à marca Troller.

“O comprador teria de inventar um novo, desenvolver um novo design. A matriz de fabricação, os moldes, eles não vão vender”, ressaltou.

De forma silenciosa e sem chamar atenção, Maia trabalha para atrair possíveis interessados na unidade. “Estou trabalhando e negociando com duas montadoras”, disse sem mencionar os nomes por questões de sigilo.

Mão de obra aproveitada

Ainda que o Ceará comece a atrair players do segmento de veículos elétricos (vide a chinesa Higer, fabricante de caminhões e ônibus elétricos), a mão de obra da fábrica a ser absorvida, segundo Maia Jr, será pequena.

“Demitiram toda a mãe de obra da fábrica. Aqui no Ceará é difícil absorver por completo, mas com a Fyber e a Higer, é possível”, avalia. “A Higer é mais complicada pelo fato de ser CKD (veículo vem pré-montado da China)”, pontua.

O Focus deixa o espaço aberto para a Ford*

Leia Mais
+A aniquilação da marca brasileira “Troller” pela implacável Ford, por Frederico Cortez