Trabalhos da CPI da COVID iniciam com bate-boca após Girão criticar foco no Governo Federal

De acordo com o senador cearense, o plano de trabalho foca apenas em investigações sobre ações e omissões do Governo Federal e o colapso da saúde no Amazonas.


Trabalhos da CPI da COVID iniciam com bate-boca após Girão criticar plano. Foto: Roque de Sá/Agência Senado.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O início dos trabalhos da CPI da COVID-19 ficou marcado, nesta terça-feira, 4, por um bate-boca entre os senadores, após o cearense Eduardo Girão (Podemos) manifestar incômodo com a lista de depoimentos presente plano de trabalho executado pela comissão.

De acordo com Girão, que teve o questionamento endossado por Ciro Nogueira (PP-PI), o plano de trabalho foca apenas em investigações sobre ações e omissões do governo federal e o colapso da saúde no Amazonas.

“Eu quero o andamento dessa CPI para investigar tudo. Ficou muito bom apenas focado no governo federal.  Peço que a gente tenha um equilíbrio, que seja justo e independente. Já conversei com o sendo Renan Calheiros para que a gente possa atender para que seja alternados esses depoimentos”, afirmou Girão.

A fala causou incômodo entre os parlamentares que comandam a comissão. Tanto presidente, Omar Aziz (PSD-AM), como vice-presidente, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), se manifestaram.

“Eu estou entendo que você está pensando que estamos fazendo um uma convocação cirúrgica, esquecendo os estados e municípios e só tratando o governo federal. Não vai acontece isso aqui. Todos aqueles que estarem sujeitos da gente provar requerimento para convocar testemunho será aprovada nesse plenário”, disse Omar.

Já Randolfe acusou Girão de tentar obstruir os trabalhos da CPI. “Toda sessão ficam embromando, atrasando o serviço, estamos com depoente esperando, o plano de trabalho está consagrado, eu lhe dou uma lista. Bora trabalhar”, disse. “Que tropa de choque atrapalhada, parece que tem algo pessoal contra o relator, ficam querendo questionar os trabalhos do relator, tudo está no plano de trabalho”, afirmou Randolfe.