Toffoli regulamenta audiências por videoconferência durante pandemia

Será permitida a realização de audiências e outros atos processuais por videoconferência pela plataforma digital disponibilizada pelo CNJ


Foto: Nelson Jr./SCO/STF.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O presidente do CNJ, ministro Dias Toffoli, assinou na última sexta-feira, 31, a resolução 329/20, que regulamenta e estabelece critérios para a realização de audiências e outros atos processuais por videoconferência, em processos penais e de execução penal, durante a pandemia do coronavírus.

Com base no documento, será permitida a realização de audiências e outros atos processuais por videoconferência pela plataforma digital disponibilizada pelo CNJ ou ferramenta similar. Apenas não será realizada a audiência caso alegada, por simples petição, a impossibilidade técnica ou instrumental de participação por algum dos envolvidos.

Fica vedado ao magistrado aplicar qualquer penalidade ou destituir a defesa na hipótese do caso anterior. O texto ainda determina que não poderão ser interpretadas em prejuízo das partes eventuais falhas de conexão de internet ou dos equipamentos de áudio e vídeo durante as audiências ou na realização de atos processuais diversos realizados por videoconferência.