Temer redigiu carta de Bolsonaro

"Eu estou ajudando a pacificar o País. Até pelo tom da nota é de harmonia entre os Poderes. Não fiz mais do que venho fazendo em toda a minha vida pública", disse à CNN Brasil


O ex-presidente Michel Temer e o presidente Jair Bolsonaro, no Palácio do Planalto. Foto: Agência Brasil

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O ex-presidente Michel Temer declarou que a “carta à Nação” publicada pelo presidente Jair Bolsonaro foi redigida pelo emedebista.

“Eu estou ajudando a pacificar o País. Até pelo tom da nota é de harmonia entre os Poderes. Não fiz mais do que venho fazendo em toda a minha vida pública”, disse o ex-presidente a uma repórter da CNN Brasil.

A declaração de Temer foi lida no ar.

O emedebista ainda alertou Bolsonaro sobre o abismo que havia se criado entre o STF e o Palácio do Planalto.

E não foi só isso.

Temer ainda mediou uma ligação telefônica entre Bolsonaro e o ministro Alexandre de Moraes, do STF. Ambos conversaram. Bolsonaro falou que não tinha a intenção de ofendê-lo.

Vale lembrar que no dia 7 de setembro, em comemoração à data, o presidente havia chamado Moraes de “canalha”.

Abaixo, leia a carta na íntegra: 

“No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

1 – Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.

2 – Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3 – Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder, não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

4 – Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.

5 – Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.

6 – Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.

7 – Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.

8 – Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.

9 – Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.

10 – Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.”

Leia Mais
+Ciro Gomes anuncia que vai à manifestação do dia 12, em São Paulo
+Bolsonaro recua de ameaças, diz que não teve intenção de agredir Poderes e fala em “calor do momento”
+Bolsonaro “paz e amor” acalma o mercado, derruba o dólar e faz a bolsa subir