Supremo Tribunal da Coreia do Sul confirma condenação da ex-presidente

Primeira mulher eleita para o cargo na Coreia do Sul,  tinha admitido ter recebido ou pedido dezenas de milhões de dólares de empresas sul-coreanas, incluindo a Samsung Electronics, além de compartilhar documentos secretos e ter organizado uma "lista" de artistas críticos das suas políticas, ou ainda de ter demitido responsáveis que se opuseram aos seus abusos de poder


The President of South Korea, Park Geun-hye, foto: © Mauricio Duenas Castaneda/EPA/Agência Lusa

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O Supremo Tribunal da Coreia do Sul confirmou hoje (14) a condenação da ex-presidente Park Geun-hye a 20 anos de prisão, num caso de corrupção que levou à sua destituição, em 2017. A decisão encerra um longo processo judicial após a destituição de Park, precedida de meses de protestos nas ruas.

Primeira mulher eleita para o cargo na Coreia do Sul,  tinha admitido ter recebido ou pedido dezenas de milhões de dólares de empresas sul-coreanas, incluindo a Samsung Electronics, além de compartilhar documentos secretos e ter organizado uma “lista” de artistas críticos das suas políticas, ou ainda de ter demitido responsáveis que se opuseram aos seus abusos de poder. Park tinha sido condenada em 2018 a 30 anos de prisão por corrupção e abuso de poder.

Os tribunais viriam a reduzir a pena a 20 anos de prisão, na sequência de uma série de recursos da defesa. O Supremo Tribunal aprovou igualmente as multas a serem pagas pela antiga chefe de Estado, no valor de 21,5 mil milhões de won (16 milhões de euros).

Park foi ainda condenada a dois anos de prisão por infrações às leis eleitorais. Se cumprir integralmente as duas penas, a ex-presidente terá mais de 80 anos quando for libertada.

Agência Brasil