Senadores defendem regulação dos serviços de saúde verticalizados que geram monopólio no setor

Senador aponta que quando todas as etapas do atendimento médico ficam sob uma única fiscalização e uma única responsabilidade, há falhas e riscos de crimes.


Com menores custos e sem fiscalização adequada, operadoras verticalizadas vão engolindo a concorrência e concentrando o mercado.

Por Fábio Campos
fabiocampos@focus.jor.br

Os escandalosos casos recentemente ocorridos no Brasil de obrigar médicos a prescrever um determinado medicamento aos pacientes chama a atenção para um ponto fundamental: a verticalização da saúde por parte das operadoras que buscam a concentraçãodo mercado.

Por verticalização entenda-se o controle absoluto de toda a linha de serviços de saúde mantendo seus próprios hospitais, laboratórios de análises, estruturas de exames de imagem e o controle dos médicos mantendo-os como assalariados com autonomia restrita.

Certamente é algo para ser observado pelos nossos legisladores. E, a julgar por diversos posicionamentos públicos, isso parece estar em andamento. Na CPI da Covid, por exemplo, a verticaliação do setor de saúde já chamou a atenção dos senadores.

O senador Jean Paul Prates (PT-RN) afirmou que a verticalização permitiu o acobertamento de práticas potencialmente criminosas. “Quando cuidados paliativos são usados para reduzir gastos, claramente estamos diante de uma inversão de prioridades. A verticalização, de fato, gera economia, mas também diminui etapas para que os envolvidos constatem equívocos ou impropriedades. Todas as etapas do atendimento médico ficam sob uma única fiscalização e uma única responsabilidade, que pode omitir falhas e, no caso presente, crimes. É evidente a omissão da agência reguladora responsável, a ANS, que não cumpriu seu dever de fiscalizar”, disse o senador potiguar.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE) percorre linha similar: “É preciso ter mais transparência entre quem opera um plano de saúde, quem vende um plano de saúde e a prestação de serviços. Plano de saúde vertical precisa ter alguma regulação entre a operadora e os estabelecimentos hospitalares. (…) O estabelecimento hospitalar de propriedade da operadora pode se utilizar da atuação terapêutica para reduzir o custo e consequentemente melhorar o ganho”.

Com informações da Agência Senado

Leia Mais
+Hapvida compra hospital em Brasília por R$ 22 milhões

Fábio Campos

Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), foi repórter de política e articulista do O Povo, o mais tradicional veículo de jornalismo impresso do Ceará, onde editou a Coluna Política por 14 anos (1996-2010) e a Coluna Fábio Campos por sete anos (2010-2017). Também foi editorialista do mesmo veículo entre 2013 e 2017. Concomitantemente às funções no jornal, editou o Anuário do Ceará por 15 anos, modernizando o conteúdo e o projeto gráfico da prestigiada publicação. Apresentou o programa Jogo Político na TV O Povo por 12 anos, ancorou o programa Contraponto na TV Cidade (Record), foi comentarista de política na TV Jangadeiro (SBT) e na rádio O Povo/CBN. Em agosto de 2017 iniciou a startup Focus.jor.