Seminário discute inovações na cadeia produtiva da carcinicultura

Evento acontece nos dias 27 e 28, em Morada Nova-CE, na sede do IFCE


Foto: Divulgação

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Cultura perene, a carcinicultura está em plena expansão no Ceará. Em 2021, o Estado vendeu mais de 120 mil toneladas de camarão para o mercado interno.  Os dados são da Associação Brasileira de Criadores de Camarão (ABCC) e apontam para um futuro promissor: expectativa de crescimento de 10% em 2022, a partir do melhoramento genético e da retomada das exportações.

Com o objetivo de apresentar inovações para o setor e capacitar os produtores de camarão, acontece, nos dias 27 e 28 de junho, o Seminário Biossegurança e Inovações na Cadeia de Produção da Carcinicultura, em Morada Nova-CE. Na programação, temáticas relacionadas às questões ambientais e biossegurança na aquicultura.

“Morada Nova tem tudo para ser o novo polo de produção de camarão do Ceará. Isso porque vários pequenos produtores rurais de outras culturas, como, por exemplo, arroz, feijão e milho, estão migrando para a carcinicultura. Neste momento, a transferência de conhecimento é fundamental para uma produção eficiente”, afirma o professor do IFCE e Vice-Presidente da Associação de Produtores de Camarão do Estado do Ceará (APCC), Ítalo Rocha.

Em todo o Estado são 1.305 produtores de camarão numa área total explorada de 16 mil hectares de viveiros. O município de Morada Nova concentra a maioria (90%) dos chamados “miniempreendimentos”, ou seja, onde a produção de camarão acontece em até 5 hectares de viveiros. Os números são da APCC.

Desafios em pauta

Políticas públicas, gestão hídrica e ambiental, bem como segurança do trabalho são desafios que precisam ser superados pelo setor. Atualmente, apenas 15% das fazendas de produção de camarão localizadas no Ceará têm licenciamento ambiental.

Durante o Seminário, o gerente de Licenciamento da SEMACE, Waslley Maciel, anunciará as novidades no procedimento de licenciamento ambiental para a aquicultura no Ceará. “Vamos apresentar a nova resolução estadual que dispõe sobre os padrões de lançamento de efluentes da atividade, a COEMA Nº 09-2021”, antecipa Waslley Maciel.

O evento é uma promoção e realização do Instituto Future, e conta com o apoio institucional do Instituto Federal do Ceará (Campus Morada Nova) e da Associação dos Produtores de Camarão do Ceará (APCC). Sebrae e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento patrocinam o Seminário.