São Paulo vai instituir projeto tarifa zero de ônibus similar ao de Caucaia

O tema ganhou grande impulso e foi proposta de campanha do governador eleito, Elmano de Freitas. Além de inclusiva, a política pública gera efeitos positivos na dinâmica da economia


Por Fábio Campos
fabiocampos@focus.jor.br 

Com Caucaia como referência de maior cidade do Brasil a instituir o transporte urbano com tarifa zero (veja aqui), projetos similiares começam a se multiplicar no Brasil e está chegando em São Paulo, a grande metrópele nacional.

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) está trabalhando para que o projeto saia do papel em 2023, fato que já está sendo apontado como âncora para garantir a sua reeleição em 2024.

Nunes escreveu nas redes sociais que solicitou à SPTrans “um estudo jurídico e financeiro para analisar a viabilidade” da ideia. Na ponta do lápis, afirmam os interlocutores da Nunes, a conta já fecha, diz a reportagem.

Durante a última campanha eleitoral, o então candidato a governador, Elmano de Freitas, aproveitou ato de campanha em Caucaia, cujo prefeito Victo Valim o apoiou, para lançar a proposta de viabilizar a tarifa zero entre as cidades metropolitanas de Fortaleza.

A grande questão é a fonte de recursos para bancar o projeto que tem grande envergadura popular e econômica. No caso de Caucaia, o ônibus grátis é custeado pelo tesouro municipal e gerou intensa dinâmica na mobilidade dos moradores da cidade, com forte repercussão no comércio e, portanto, maior geração de impostos.

Caso a tarifa zero seja posta em prática na RMF, haverá forte pressão para que a Prefeitura de Fortaleza institua política pública semelhante. Assim como São Paulo, o caso da Capital cearense é mais complexo. São cerca de 600 mil passageiros por dia e a Prefeitura terá que buscar fontes extras de recursos para viabilizar.

Em Caucaia, até agosto de 2022, a Prefeitura contabilizava uma média de quase 88 mil “passagens” por dia. Isso significa cerca de 44 mil usuários, considerando que um passageiro usa pelo menos dois transportes por dia (ida e volta).

O impacto é tão significativo que, quando o transporte era pago, a quantidade de passageiros transportados por dia era de 18.512 (ou a metade considerando ida e volta) nos 70 ônibus rodando em 21 linhas.

O Bora de Graça pode ser considerado uma eficiente política de inclusão e de estímulo à economia. Afinal, milhares de trabalhadores formais passam a usar seus vales transportes em compras e outros milhares de informais passam a usar o sistema.

 

Fábio Campos

Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), foi repórter de política e articulista do O Povo, o mais tradicional veículo de jornalismo impresso do Ceará, onde editou a Coluna Política por 14 anos (1996-2010) e a Coluna Fábio Campos por sete anos (2010-2017). Também foi editorialista do mesmo veículo entre 2013 e 2017. Concomitantemente às funções no jornal, editou o Anuário do Ceará por 15 anos, modernizando o conteúdo e o projeto gráfico da prestigiada publicação. Apresentou o programa Jogo Político na TV O Povo por 12 anos, ancorou o programa Contraponto na TV Cidade (Record), foi comentarista de política na TV Jangadeiro (SBT) e na rádio O Povo/CBN. Em agosto de 2017 iniciou a startup Focus.jor.