Proteção de dados é segurança para empresas e clientes. Por Larissa Kalel


Larissa Kalel é analista financeira da Arêa Leão Consultoria Empresarial. Foto: Divulgação

Com a chegada da pandemia, o mundo inteiro precisou se adaptar a um novo modo de vida, onde a tecnologia e o uso de aparelhos eletrônicos se tornaram cada vez mais frequentes e indispensáveis. Com a responsabilidade de ficar em casa, as pessoas intensificaram o uso de serviços virtuais, como: pagamentos, atendimento de serviços públicos, transações bancárias e compras em geral.

Da mesma forma, as empresas de todos os tipos e portes tiveram que se adaptar e modificar a forma de operar. Seja criando deliverys, atendimentos domésticos, vendas online e promovendo ambientes propícios para que os colaboradores pudessem trabalhar de forma remota.

Ao trabalhar em casa e acessar perfis de trabalho através de uma rede doméstica, o usuário está cada vez mais exposto aos riscos do ambiente virtual, que nem sempre possui o nível de segurança necessária para proteger o sigilo de alguns tipos de dados. Sabendo disso, criminosos não apenas se aproveitam dessas fragilidades na segurança, quanto estão evoluindo na forma de cometer crimes virtuais.

Falhas na segurança podem diminuir a confidencialidade dos processos e colocar em risco a credibilidade das organizações, e consequentemente trazer prejuízos financeiros para os negócios. Por isso, é importante realizar treinamentos para que todos os colaboradores tenham conhecimento sobre segurança cibernética, e ampliem as medidas de segurança das organizações, principalmente, em “home office”, onde esses tipos de riscos não podem ser monitorados diretamente.

Em contrapartida, com a chegada da Lei nº 13.709/2018, a LGPD, (Lei Geral da Proteção de Dados), muitas empresas que operam com informações pessoais, passaram a seguir uma série de regras que regulam as atividades de tratamento de dados, além disso a lei traz consigo a exigência de uma mudança na cultura de governança de dados interna, para proteção do colaborador, e externa, para proteção dos clientes.

Diante desse cenário, com o uso cada vez mais intenso da internet, com a coleta de informações cada vez mais rápida, a segurança da informação se tornou bastante relevante durante a pandemia e deve permanecer assim no período pós pandemia. A preocupação de garantir a proteção de dados e a privacidade dos usuários por parte das empresas não é apenas uma forma de criar confiança em todas as relações interpessoais, mas também de gerenciar riscos e gerar valor para o negócio.