PSL teria usado candidata laranja para repassar R$ 400 mil

Maria de Lourdes Paixão foi a terceira maior beneficada com dinheiro do fundo partidário, mas obteve apenas 274 votos. O esquema é atribuido ao presidente do PSL, deputado federal Luciano Bivar (PE)


Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, é acusado, em reportagem da Folha de S.Paulo, de ter usado a candidata a deputada federal por Pernambuco, Maria de Lourdes Paixão, 68, como laranja, para repasse do fundo partidário. A criação da “candidata laranja” é atribuída ao presidente do PSL, Luciano Bivar (PE), recém-eleito segundo vice-presidente da Câmara.

Lourdes Paixão, segundo a reportagem, recebeu cerca R$ 400 mil – a terceira maior beneficiada do País, acima de Bolsonaro e de Joice Hasselmann (candidata a deputada federal de São Paulo, que obteve 1,079 milhão de votos). Cerca de 95% deste dinheiro, repassada a candidata quatro dias antes da eleição, foram gastos em uma única gráfica.

O valor pago seria referente a 9 milhões de santinho  e 1,7 milhão de adesivos. Uma quantidade exorbitante levando-se em conta que a candidata obteve apenas 274 votos. Ao jornal, Lourdes Paixão afirmou recebeu um valor “expressivo do partido”. “Mas acontece que quando eu vim a receber já era campanha final, entendeu, e não deu tempo para me expandir”, afirmou.

A gráfica Itapissu – responsável pela confecção – não funciona nos endereços apontados nem na Nota Fiscal nem no fornecido à Receita Federal.