Justiça determina o bloqueio de bens do ex-governador Geraldo Alckmin

A Ação Civil Pública trata de investigação de improbidade administrativa por repasses de ex-executivos da Odebrecht para a campanha de Alckmin em 2014, ano em que ele foi reeleito governador.


Equipe Focus
focus@focus.jor.br

A pedido do Ministério Público de São Paulo, o juiz Alberto Alonso Muñoz, da 13ª Vara da Fazenda de São Paulo, determinou, nesta segunda-feira, 15, o bloqueio de bens do ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB). A Ação Civil Pública trata de investigação de improbidade administrativa por repasses de ex-executivos da Odebrecht para a campanha de Alckmin em 2014, ano em que ele foi reeleito governador. A base para acusação são três delações de ex-executivos. O montante seria de R$ 7,8 milhões, e não teria sido declarado à Justiça Eleitoral. Além de Alckmin, a decisão alcança mais seis ex-executivos da construtora Odebrecht. No total, foram bloqueados 39,7 milhões dos investigados.

Decisão do Juiz da 13 Vara da Fazenda Pública
Processo: 1043973-96.2018.8.26.0053