Governo sofre duas derrotas na CCJ e PEC da Previdência fica para depois da Semana Santa

Os governista não conseguiram evitar que os deputados do centrão e da oposição conseguissem inverter a pauta, colocando a PEC do orçamento impositivo à frente da PEC da Previdência


Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Em uma segunda-feira, 15, contubarda, a bancada governista sofreu duas derrotas seguidas na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Na primeira delas, os governistas não conseguiram aprovar o requerimento que buscava acelerar os trabalhos da CCJ, com a intenção de aprovar a reforma da previdência ainda antes da Semana Santa.

Porém, a segunda derrota foi ainda mais frustrante para os governistas. Ao perceberem que não conseguiriam derrotar os deputados do centrão e da oposição, os deputados da base tiveram que votar favorável a proposta de inverter a pauta, colocando a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do orçamento impositivo para ser votada antes da reforma da previdência. Foram 50 votos favoráveis à alteração na prioridade da pauta e 5 contrários. Com isso, o parecer de constitucionalidade da reforma da Previdência só deve ser votado na semana que vem.

A adesão a proposta de inversão da pauta foi uma estratégia para evitar um desgaste ainda maior do Governo. O líder do PSL na Casa, Delegado Waldir (GO), afirmou que o presidente Jair Bolsonaro “proporcionou” a votação do Orçamento impositivo “em parceria com o Parlamento”. “Os parlamentares brasileiros deixam de ser escravos, deixam de ir com pires na mão e se tornam independentes”, disse.

A oposição criticou a tentativa de o PSL apoiar a pauta. “Eu não entendo o PSL querer capitalizar algo que fora contra”, disse o deputado Paulo Teixeira (PT-SP).