Pinto Martins: R$ 83,6 milhões gastos em obra inacabada que pode ser demolida

O caso foi parar no Judiciário e o prejuízo é do contribuinte


 

Ampliação do Pinto Martins abandonada. Tudo pode ser demolido.

A Fraport estuda a obra inacabada de expansão do Pinto Martins para avaliar se a montanha de concreto abandonado é aproveitável. Caso não esteja em 100% de condições para prosseguir com o serviço, a estrutura será demolida pela nova concessionária do terminal.

Iniciada em 2010, a ampliação parou em maio de 2014, quando o contrato com o consórcio executor foi rescindido. A execução financeira da obra até o momento da rescisão foi de R$ 83,69 milhões. Ou seja, o contribuinte pagou essa fortuna por uma estrutura que poderá ser demolida.

O caso foi parar no tapetão do Judiciário. Não há notícias de punições dos culpados pelo estrago. O consórcio que venceu a licitação em 2012 era formado pela Consbem Construções, Paulo Octávio Investimentos Imobiliários e MPE Montagens e Projetos Especiais.

Leia também

+ Obras do Aeroporto de Fortaleza começam até fevereiro

+ “A Latam não quer perder essa oportunidade”, diz Fraport sobre hub

+ “Estamos sempre em contato com empresas para ampliar o terminal”, diz Fraport sobre Aeroporto de Fortaleza