Pfizer e AstraZeneca garantem eficácia contra variante Delta, diz estudo

O estudo foi publicado no New England Journal of Medicine, nesta quarta-feira, 21.


Frascos com etiquetas com logos da Pfizer-BioNTech e da AstraZeneca. Foto: Reuters.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Duas doses das vacinas da Pfizer e da AstraZeneca contra a COVID-19 são quase tão eficazes contra a variante Delta quanto eram contra a variante Alfa anteriormente dominante em vários países do mundo. A constatação é de um estudo publicado no New England Journal of Medicine, nesta quarta-feira, 21.

No entanto, o estudo mostra que uma dose apenas das vacinas não é suficiente para uma alta proteção contra a variante Delta, altamente transmissível e hoje dominante na maior parte do mundo.

Segundo reportagem da Reuters, o estudo confirma as descobertas fornecidas pelo governo britânico em maio sobre a eficácia das vacinas contra COVID-19 feitas por Pfizer/BioNTech e Oxford/AstraZeneca, com base em dados do mundo real.

O estudo divulgado apontou que duas doses da vacina da Pfizer resultaram em 88% de eficácia na prevenção de doenças sintomáticas da variante Delta, em comparação com 93,7% contra a variante Alfa, em linha com o relatado anteriormente.

Duas doses da vacina da AstraZeneca resultaram em eficácia de 67% contra a variante Delta, acima dos 60% relatados originalmente, ante 74,5% contra a variante Alfa, em comparação com uma estimativa original de 66% de eficácia.

De acordo com o estudo, uma dose da Pfizer foi 36% eficaz, e uma dose da AstraZeneca foi cerca de 30% eficaz.