Pesquisa do Procon nos supermercados encontra o quilo arroz de até R$ 5,79

Procon alerta que a elevação de preços, sem justa causa, é proibida pelo Código de Defesa do Consumidor


Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Alimentos básicos como arroz, feijão, óleo de soja e carne bovina subiram de forma considerável no mês de setembro. É o que indica nova pesquisa do Procon Fortaleza, divulgada nesta quarta-feira, 16, .

O arroz, por exemplo, saltou de R$ 3,79, no mês passado, para R$ 5,79 neste último levantamento, considerando o menor e o maior valor do produto. Um aumento de 52% em menos de 30 dias.

Quando analisado o preço do quilo do arroz, no início do ano, o produto apresenta uma alta de 96,9%, saindo de R$ 2,94, em janeiro, para R$ 5,79, em setembro. O Procon alerta que a elevação de preços, sem justa causa, é proibida pelo Código de Defesa do Consumidor. A prática abusiva pode resultar em multa de até R$ 13 milhões.

A diretora do Procon Fortaleza, Cláudia Santos, explica que mesmo a pesquisa tendo caráter consultivo, de forma a orientar os consumidores sobre a prática de preços nos supermercados, o Procon está atento a práticas abusivas de elevação de preços sem justa causa, o que é proibido pelo Código de Defesa do Consumidor.

“Nenhum fornecedor de produtos ou serviços pode se aproveitar de uma situação para elevar preços sem justificativa”, esclareceu. A Diretora diz ainda que o Procon analisa a adoção de medidas cabíveis para coibir a elevação abusiva de preços.

Na análise por bairros, a Regional I e o Centro de Fortaleza concentram os preços mais elevados, enquanto que bairros das regionais II e IV apresentam os menores valores. O Procon ressalva que a média de preços por regional, por ser afetada, de acordo com a disponibilidade de produtos nos supermercados.