Guedes ressuscita fala de Eduardo Bolsonaro e faz o AI-5 retornar à agenda política

Em entrevista, Paulo Guedes afirmou: "Quando o outro lado ganha, com dez meses você já chama todo mundo para quebrar a rua? Que responsabilidade é essa? Não se assustem então se alguém pedir o AI-5. Já não aconteceu uma vez?"


Paulo Guedes comentou sobre a volta do AI-5 em entrevista, nos Estados Unidos. Foto: EBC

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Passados cerca de um mês da entrevista do deputado Eduardo Bolsonaro falando do AI-5, quando tudo já parecia apaziguado, eis que o ministro da Economia, Paulo Guedes, resolve trazer de volta para agenda política o famoso Ato Institucional 5. Nesta segunda-feira, 25, a pretexto de criticar a reação dos petistas com o discurso de Lula, que pedem que todos estejam nas ruas para combater as iniciativas do governo Bolsonaro, Guedes comentou:

“Sejam responsáveis, pratiquem a democracia. Ou democracia é só quando o seu lado ganha? Quando o outro lado ganha, com dez meses você já chama todo mundo para quebrar a rua? Que responsabilidade é essa? Não se assustem então se alguém pedir o AI-5. Já não aconteceu uma vez? Ou foi diferente? Levando o povo para rua para quebrar tudo. Isso é estúpido, é burro, não está à altura da nossa tradição democrática.”

A frase, obviamente, trouxe de volta todo o clima de contestação que já tinha sido enfrentado pelo deputado Bolsonaro. O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia, e o presidente do STF, Dias Toffoli, saíram à frente.

“Não dá para usar a palavra AI-5 como se fosse bom dia ou boa noite. O que manifestação de rua tem a ver com AI-5? Fechamento do Congresso? Das assembleias? O ex-presidente da República estimula manifestações e do outro lado querem se armar para enfrentar isso”, provocou Maia.

Toffoli foi mais econômico, mas seguiu a mesma linha de Maia. Segundo o presidente do STF, o AI-5 “é incompatível com a democracia”. “”Não se constrói o futuro com experiências fracassadas do passado”, afirma.