Para 2021, IBGE prevê safra de 785 mil toneladas no Ceará, próximo ao patamar de 2020

A previsão feita no relatório de maio é 6,8% superior à estimativa realizada em abril. Comparada a primeira estimativa do IBGE, de janeiro, o volume previsto já é 60% superior.


Foto: Marília Garcia Senlle.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Segundo relatório mensal do IBGE divulgado nesta quinta-feira, 10, a produção cereais, leguminosas e oleaginosas no Ceará esperada para 2021 é de 785,985 mil toneladas, 6,84% superior à expectativa de abril (735.684 t) e 60,86%, em relação ao primeiro prognóstico, de janeiro (488.623 t).

Caso a nova perspectiva seja confirmada, o volume produzido será 1,07% menor do que a safra de grãos efetivamente obtida em 2020 (794.480 t). Os dados são do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA) de maio.

Segundo o IBGE, 10 produtos apresentaram aumento na expectativa de produção: arroz de sequeiro, fava, feijão de arranca 1ª safra (Phaseolus), feijão-de-corda 1ª safra sequeiro (Vigna), feijão-de-corda 2ª safra sequeiro (Vigna), milho grão sequeiro 1a. Safra, soja de sequeiro 1a. Safra, sorgo granífero, amendoim e mamona.

No grupo de Cereais, Leguminosas e Oleaginosas, apenas o algodão herbáceo sequeiro apresentou redução na expectativa de produção, devido à redução da área em Acopiara, Catarina, Iguatu, Piquet Carneiro, Tarrafas e Várzea Alegre “por motivos climáticos, burocráticos, substituição pelo milho e dificuldade de manejo fitossanitário”, diz o IBGE.