Pacientes com doenças do coração não devem interromper tratamento por conta da COVID-19

O vírus da COVID-19 é ainda mais severo quando atinge o coração, mesmo em pessoas que não possuem diagnóstico de doenças cardiovasculares


Enfermeira verificando pulso. Foto: Freepik

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Classificados como grupo de alto risco, as pessoas com doenças cardiovasculares estão com medo de procurar atendimento eletivo e emergencial por conta da COVID-19. O alerta é do médico cardiologista e CEO do Hospital Prontocardio, Dr. Roger Carneiro.

“Alguns pacientes cardiopatas, por exemplo, estão interrompendo o tratamento e com medo de ir ao hospital devido à pandemia”, afirma Roger Carneiro.

As doenças cardiovasculares, na maioria das vezes, vêm acompanhadas de outras patologias graves, como hipertensão, diabetes e tabagismo. Por isso, segundo o especialista, a continuidade dos medicamentos e do acompanhamento médico, mesmo de forma online, devem ser mantidos. “Está comprovado cientificamente que, quando acometidos pela COVID-19, os pacientes cardiopatas são mais vulneráveis, morrem mais. Assim posto, não devem interromper os tratamentos e precisam intensificar o relacionamento com os seus médicos neste período de pandemia”, explica o cardiologista.

O vírus é ainda mais severo quando atinge o coração, mesmo em pessoas que não possuem diagnóstico de doenças cardiovasculares. “O novo coronavírus pode causar a obstrução das artérias coronarianas e ocasionar um infarto agudo, além de miocardite e o enfraquecimento do músculo do coração”, ressalta Roger Carneiro.

Cuidados redobrados

Não é só o paciente cardiopata que precisa intensificar os cuidados com a COVID-19. A família é fundamental nesse processo. “Os familiares precisam entender que não podem levar uma vida normal. Não adianta o paciente tomar todos os cuidados necessários e os parentes continuarem circulando. Eles trazem o vírus para dentro de casa. A prevenção deve ser integral”, afirma o especialista.