Os caminhos da realização profissional. Por Lisandra Pinheiro


Lisandra Pinheiro. Membro do Ibef. Foto: divulgação.

A busca pela realização profissional está presente desde cedo em nossas vidas. Quando criança sonhamos em ser médico, professor, bombeiro entre tantas outras coisas. Alguns realizam seus sonhos, muitos mudam de sonho, alguns até se formam na profissão sonhada, mas encontram a realização em caminhos nunca imaginados.

Um dos fatores que mais contribui para essa mudança de rota é a necessidade da maioria dos brasileiros de trabalhar enquanto cursam a faculdade. Na minha experiência pessoal, foi assim que aconteceu. Enquanto estudava Ciências Sociais, comecei a trabalhar no segmento financeiro, onde desenvolvi minha carreira.

Aceitar os desafios e as oportunidades, que surgem, como uma mudança de área, de cidade e até de empresa é essencial para o crescimento profissional. Assim como, encontrar líderes que nos incentive e acredite em nosso potencial.

Certamente o maior desafio da minha carreira até hoje, foi assumir a área de crédito, pois tratava-se de uma área primordial para o negócio, concessão de crédito para empresas, e eu não tinha as competências técnicas e nem experiência em análise de crédito. No entanto, tinha o que hoje chamamos de Soft Skills, ou seja, habilidades comportamentais e competências subjetivas e buscaria aprender e desenvolver as competências técnicas que me faltavam. Assim o fiz.

Aprendi, não somente contabilidade, análise econômico-financeira, mas principalmente a importância da profissão de analista de crédito para o mercado financeiro onde é muito presente, mas também para diversos segmentos da economia. Sua função é avaliar se a pessoa ou empresa solicitante de um produto ou empréstimo tem capacidade de pagamento suficiente. Para ser um bom analista, temos que ser bons leitores de número, mas também de economia e história, temos que ser curiosos e investigadores, entender os riscos objetivos e subjetivos de um crédito.

Atualmente na Gerência de Crédito um grande FIDC do Nordeste. O mundo do crédito evoluiu muito, temos cada vez mais análises realizadas com base em scores, modelos matemáticos de algoritmos e machine learning. Porém, o papel do analista ainda é muito importante. Este deve ter a capacidade de interpretar os dados, de ver além dos indicadores financeiros. Saber elaborar os questionamentos corretos para extrair os pontos importantes não revelados pelos balanços contábeis. Enxergar os aspectos subjetivos positivos e negativos ao realizar uma visita, manter-se bem informado sobre economia e os diversos setores, para identificar os riscos inerentes a cada segmento.

Os caminhos da realização profissional podem ser diversos, como mostra minha história e tantas outras que ouvimos, pode até levar mais tempo do que gostaríamos, mas o importante é se manter atento as oportunidades, descobrir algo que goste realmente de fazer, buscar o aprimoramento e a aprendizagem constante.