“O impacto desse lockdown estendido será de mais falências”, alerta presidente da Abrasel Ceará

O empresário Taiene Righetto espera que o setor de bares e restaurantes esteja na primeira fase do plano de reabertura do Governo do Estado, previsto para a próxima segunda-feira, 12


Em Recife, Natal e Salvador, restaurantes podem funcionar. Foto: Freepik

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Diante de um cenário de falências, demissões e prejuízos, o presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes no Ceará (Abrasel-CE), Taiene Righetto, espera que o setor de bares e restaurantes esteja na primeira fase do plano de reabertura do Governo do Estado, previsto para a próxima segunda-feira, 12.

“Nosso setor já está muito fragilizado, com restrições severas há mais de 60 dias. O impacto desse lockdown estendido será de mais falências, com certeza”, diz Righetto.

Em capitais como Recife, Salvador, Natal, São Luiz, e outras nove, de todas as regiões do País, o setor já pode funcionar, seguindo as normas sanitárias.

“Restaurantes são essenciais para o bom funcionamento da economia. Quaisquer que sejam os setores que possam abrir as portas a partir de segunda-feira, seus trabalhadores precisarão de locais seguros para fazerem suas refeições”, diz Righetto.

Após dois meses de restrições impostas pelo Governo do Estado para conter o avanço da COVID-19, o setor de alimentação fora do lar no Ceará acumula mais de 10 mil empresas fechadas e mais de 60 mil famílias desempregadas, segundo a Abrasel.