No Focus Colloquium, presidente do TJCE fala da redução de processos, adoção de tecnologias e celebra “maior produtividade da década” do Tribunal

Encerrando seu mandato à frente do Judiciário cearense, o desembargador Washington Araújo destacou os avanços alcançados e comentou as medidas implementadas ao longo de dois anos


Focus Colloquium com o presidente do TJCE, Washington Araújo. Foto: Divulgação

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O presidente do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), desembargador Washington Araújo, considera sua gestão exitosa frente ao Judiciário do Estado. Encerrando seu mandato de dois anos, o magistrado destacou a implementação de avanços e os ganhos obtidos com a adoção das tecnologias.

Araújo lembrou da contratação de 100 jovens bacharéis em Direito para auxiliar nos trabalhos do Tribunal. “Eram estagiários de pós-graduação coordenados por juízes e servidores. Indicávamos onde havia mais necessidade e acúmulo de processos”, disse em entrevista ao Focus Colloquium desta quinta-feira, 28.

“O resultado foi surpreendente. Conseguimos no primeiro mês um ‘boom’ de minutas e sentenças produzidas por esses jovens talentosos que antes estavam estudando para concursos. Eles foram para uma vitrine e passaram a ser vistos. Muitos migraram para cargos de assessoramento de magistrados”, pontou o presidente do TJCE.

Ao todo, durante dois anos de gestão, Araújo contabilizou 88 mil minutas de sentenças, 30 mil minutas de decisões e mais de 60 mil minutas de despachos. “Só as turmas recursais julgaram 23 mil processos com a ajuda desses juízes leigos”, complementou.

Maior produtividade da década

Outro número interessante diz respeito à produtividade.  Em 2019, o resultado foi o maior da década registrado pelo TJCE.  “Ao longo de dois anos, foram quase 999 mil processos baixados”, recorda.  “Baixamos também o nosso ranking estoque. O número estava em 1,23 milhão. Agora temos 1,10 milhão, queda de 123 mil. Isso representa 10% do que encontramos no Tribunal. Nunca se produziu tanto. Nunca se julgou tanto”, ressaltou o desembargador.

O ano de 2020 também foi promissor. O Tribunal, que chegou a ocupar as últimas posições em comparações com outros Estados da federação em 2017, saltou para 9º lugar no ano passado, conforme levantamento do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

“No ranking, considerando a força de trabalho e o número de processos julgados, com certeza o Tribunal do Ceará estaria entre os mais produtivos do País”, argumenta.

Tecnologia

Uma das maiores contribuições para o Judiciário cearense na gestão da Araújo foi a adoção do processo judicial eletrônico. “Ligamos todos os nossos fóruns ao Cinturão Digital, sendo a penúltima comarca conectada de Caririaçu. Falta apenas Catarina, que passa por um problema técnico que a Etice (Empresa de Tecnologia da Informação do Ceará) está contornando”, afirmou. Graças à implementação da medida, o processo eletrônico chega a ser 30% mais rápido que o convencional.

Houve também a redução de custos de maneira substancial. “O juiz deixou de ser um caixeiro viajante. Hoje atua em qualquer comarca usando o processo eletrônico, usando o computador e a internet em seu gabinete. Evitamos também riscos aos nossos magistrados e a subtração de peças processuais”, complementou.

Reveja a entrevista do Focus Colloquium com o presidente do TJCE: