Resolução amplia atendimento psicológico online no País

Atendimento online é vedado em algumas situações, como quando o paciente estiver em situação de violência ou de violação de direitos


Foto: Pixabay

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O Conselho Federal de Psicologia (CFP) elaborou uma nova resolução com o objetivo de garantir que o serviço de atendimento online seja passível de fiscalização e prestado dentro de padrões éticos. As mudanças passaram a valer a partir dessa semana.

Com a nova resolução, cada profissional precisará se cadastrar no site do CFP, preenchendo um formulário que pede dados pessoais e profissionais, detalhes do serviço que será prestado, indicação das plataformas que serão utilizadas, entre outras informações. Os cuidados que serão tomados em relação ao sigilo do paciente também precisam ser descritos.

O atendimento online é vedado em algumas situações, como quando o paciente estiver em situação de violência ou de violação de direitos. Também não pode ser prestado a vítimas de desastres. Diante da vulnerabilidade desses pacientes, o apoio psicológico deve ser presencial. Além disso, crianças e adolescentes só podem ser atendidos por plataformas online se houver concordância dos pais. Há outras situações em que o serviço é permitido apenas de forma complementar, sendo obrigatório o contato presencial.

Com Agência Brasil