MPF pede que Justiça obrigue Governo Federal a acionar Plano Nacional de Contingência

A ação é assinada por procuradores de todos os estados do Nordeste. No Ceará, é assinado pela procuradora Nilce Cunha Rodrigues. 


Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O Ministério Público Federal ajuizou Ação Civil Pública contra a União motivada pelo derramamento de óleo que atinge a costa do Nordeste. A ação pede, em caráter de urgência, que a União seja obrigada a acionar em 24 horas o Plano Nacional de Contingência e multa diária de R$ 1 milhão em caso de descumprimento. A ação é assinada por procuradores de todos os estados do Nordeste. No Ceará, é assinado pela procuradora Nilce Cunha Rodrigues.

Na ação, o MPF afirma que, “não obstante a extrema gravidade do desastre ambiental, com todos os dados e impactos demonstrados, e ainda a decretação de emergência pelos Estados de Sergipe e da Bahia, fato é que a União se mantém omissa, inerte, ineficiente e ineficaz. Não há, pois, razão plausível mínima para não se implementar, de imediato, o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional. É, pela legislação e pelos fatos reais, medida que se impõe”.

O Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional (PNC) foi instituído em 2013, através de decreto do Governo Federal, com o objetivo de preparar o País para casos justamente como o que afeta a costa do Nordeste desde o mês de setembro.

Também está entre os pedidos que um representante de cada órgão estadual de Meio Ambiente dos Estados afetados pelo acidente integrem o comitê de suporte ao Plano de Contingência e que os Estados tenham autonomia para fiscalizar as medidas.

Confira a íntegra da ACP