Movimentos assinam manifesto contra cidadania cearense para líder do MST

O senhor Stédile nunca fez nada pelo país, a não ser destruir e criar um poder paralelo paramilitar que tinha como única função destruir", afirma o panfleto.


Stedile no centro de uma polêmica que invadiu a Assembleia. Foro: Divulgação.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Os movimentos Vem Pra Rua Brasil, Vem Pra Rua Ceará, Brasil indignado, Instituto Democracia e Ética e Conexão Patriótica assinaram um manifesto contra a concessão do título de cidadania ao chefe do MST, João Pedro Stedile. “O senhor Stédile nunca fez nada pelo país, a não ser destruir e criar um poder paralelo paramilitar que tinha como única função destruir”, afirma o manifesto.

“Conclamamos a todos as instituições e, individualmente, cada cearense, que se ponha contrário ao absurdo dessa homenagem. O Ceará é a terra da Liberdade, a terra de Dragão do Mar, de Bárbara de Alencar. A terra que sempre lutou pelos Direitos Humanos! Qualquer homenagem a esse senhor é um desrespeito a todas as pessoas que batalham todos os dias para viver num país melhor!”, diz o manifesto.

O caso vem causando polêmica há dias. Na semana passada, a Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia analisou a proposta do titulo de cidadania apresentada pelo deputado Elmano de Freitas (PT). O relator foi o deputado André Fernandes (PSL), que aprovou o projeto e disse em seu relatório que a proposta merecia ser “reverenciada”.

Quando o fato foi divulgado pelo Focus, Fernandes gravou um vídeo afrimando que se tratava de fake news, que jamais apoiaria tal proposta e que a CCJ tratou apenas da constitucionalidade da matéria.

Na verdade, a CCJ tem a prerrogativa de analisar também o mérito. O Artigo 3º é claro quando afirma que além da Constitucionalidade, a CCJ deve analisar o mérito da honraria dedicado a cidadãos e cidadãs que prestaram relevantes serviços ao Ceará.

Veja o teor do manifesto
A Lei 12.510/95, estabelece que a Assembléia Legislativa poderá oferecer “o Título Honorífico de Cidadão Cearense a brasileiro ou a estrangeiro, que haja prestado relevantes serviços ao Estado.”

Esse manifesto poderia destacar que o senhor Stédile nunca fez nada pelo país, a não ser destruir e criar um poder paralelo paramilitar que tinha como única função destruir, tendo, inclusive, o ex-presidente Lula afirmado na defesa do governo Dilma que “também sabemos brigar. Sobretudo quando o Stédile colocar o exército dele nas ruas”.

Lula tratou o MST como o braço armado da esquerda, aquela que dizia que pegaria em armas para defender bandidos condenados pela justiça. Por conta disso, a sociedade civil organizada se pergunta: o que esse senhor fez ao Ceará para merecer a nossa maior honraria? Respondemos: nada!

João Pedro Stédile nada fez pelo país, nada fez pelo nosso estado, o seu objetivo nunca foi construir, criar ou melhorar algo. O objetivo sempre foi dilapidar, prejudicar e destruir. O objetivo desse senhor sempre foi acabar com os Direitos Humanos, a vida, a liberdade e a propriedade. Esse senhor vem prejudicando o Brasil há vários anos e não existe qualquer razão para que o Ceará, o nosso estado, honre esse senhor de alguma forma.

Conclamamos a todos as instituições e, individualmente, cada cearense, que se ponha contrário ao absurdo dessa homenagem. O Ceará é a terra da Liberdade, a terra de Dragão do Mar, de Bárbara de Alencar. A terra que sempre lutou pelos Direitos Humanos! Qualquer homenagem a esse senhor é um desrespeito a todas as pessoas que batalham todos os dias para viver num país melhor!

Leia Mais
+“Já falei o que vagabundo do MST merece: é tiro mesmo”, dispara André Fernandes
+ A regra é clara: ainda na CCJ, o deputado pode dizer não ao título de cidadania