Movimento de pais alerta para risco de “desmatrícula em massa” caso escolas não sejam incluídas no plano de reabertura de Camilo

A ação é encabeçada pelo movimento "Escolas Abertas Ceará", que afirma reunir mais de três mil pais de alunos de escolas públicas e privadas.


Fernanda Araújo, médica e uma das fundadoras do movimento “Escolas Abertas Ceará”

Bruno Cabral
focus@focus.jor.br

Caso as escolas fiquem de fora do plano de reabertura do Governo do Estado a partir da próxima segunda-feira, 12, o movimento “Escolas Abertas Ceará”, que reúne mais de três mil pais de alunos de escolas públicas e privadas,  sugere “desmatrícula em massa” dos alunos da rede privada.

“Estamos lutando pela reabertura das escolas diante desses sucessivos adiamentos, sem qualquer respaldo científico para que permaneçam fechadas” disse ao Focus, a médica Fernanda Araújo, uma das fundadoras do movimento.

“Hoje, com as escolas fechadas, há um alto risco de evasão da rede pública. Nas particulares os pais estão pagando sem receber o serviço contratado”, diz Fernanda Araújo ao alertar para o “risco de uma desmatrícula em massa dos alunos da rede privada caso o ensino não esteja contemplado como prioridade no plano de reabertura do governo.”

A médica diz ainda que já há amplas evidências de que, obedecido todos os protocolos, as escolas são um ambiente seguro mesmo durante a pandemia da COVID-19. “No entendimento da ciência, a escola deve ser a primeira a abrir e a última a fechar”, diz Fernanda.

Em nota, o movimento justificou o temor de as escolas ficarem de fora do plano de reabertura por não terem sido citadas pelo governador quando este anunciou sua data de início. “Durante mais de 11 minutos na live, o governador Camilo Santana não cita, em nenhum momento, que o ensino estará contemplado no plano de reabertura que deve acontecer a partir de 12 de abril próximo”.

Leia nota na íntegra:

O movimento Escolas Abertas Ceará, que representa milhares de pais de alunos e luta pela reabertura prioritária do ensino nas redes pública e privada no estado, vem a público demonstrar sua insatisfação com as medidas atuais do governo do estado que parecem não contemplar, mais uma vez, o ensino em seu plano de reabertura.

Durante mais de 11 minutos na live de ontem, o governador Camilo Santana não cita, em nenhum momento, que o ensino estará contemplado no plano de reabertura que deve acontecer a partir de 12 de abril próximo.

Mais de 40 mil artigos científicos já foram publicados sobre o tema no último ano e há um consenso na comunidade científica de que escolas com protocolos são seguras mesmo durante a pandemia. O entendimento atual da ciência é: “Escola deve ser a primeira a abrir e a última a fechar.” Não podemos aceitar, como sociedade, que voltemos a viver a realidade do último ano, quando bares estavam abertos e escolas fechadas.

A página do Escolas Abertas Ceará no Instagram pode ser acessada neste link