Moro e Dallagnol acusados de transgredir a lei na operação Lava Jato

Os procuradores da "Lava Jato" falavam abertamente que Lula não poderia concorrer às eleições presidenciais, segundo a matéria.


Frederico Cortez
cortez@focus.jor.br

O atual chefe do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, Sérgio Moro, e o procurador federal Deltan Dallagnol, coordenador da operação “Lava jato” estão sendo acusados de adotar um comportamento antiético e de infringir a legislação brasileira. A denúncia foi publicada no início desta noite e partiu do site The Intercept_Brasil, que traz todo o conteúdo dividido em quatro partes.

Segundo a reportagem, Sérgio Moro, à época juiz titular da 13ª Vara Federal de Curitiba-PR, colaborou de forma secreta e sigilosa com os procuradores na montagem das acusações contra Lula. Os jornalistas do The Intercp_Brasil afirmam que os procuradores da Lava Jato diziam para todos que o ex-presidente petista não poderia ser candidato nas eleições presidenciais. Provas como mensagens privadas, gravações em áudio, vídeos, fotos, documentos judiciais e outros itens foram enviadas por uma fonte anônima.

Focus irá mostrar ao longo desta segunda,10, o conteúdo completo da matéria e com análise jurídica sobre os desdobramentos da denúncia.

Leia Mais

+ Moro rebate no Twitter as acusações de transgressão da lei na operação Lava Jato
+ Do líder do Novo: “Acuse-os do que você faz, chame-os do que você é”.
+ Lava Jato suspeita: para Ciro, “excesso de aplausos às gravatinhas borboleta cobraria seu preço”
+Camilo aponta como “muito grave” o teor das conversas entre Moro e procuradores