Maia Jr: Ceará tem 16 protocolos de grandes grupos para produção de hidrogênio verde

"Se conseguirmos implantar pelo menos 50% desses projetos, será um grande feito extraordinário para o futuro do Ceará", declarou o titular da Sedet em entrevista ao Focus Colloquium


Hidrogênio verde. Foto: Divulgação

Átila Varela
atila@focus.jor.br

O Ceará contabiliza 16 protocolos de grandes grupos empresariais voltados à produção de hidrogênio verde. A informação foi divulgada pelo titular da Sedet, Maia Júnior, em entrevista ao Focus Colloquium desta terça-feira, 14.

O secretário citou que o pontapé inicial se deu com a Enegix Energy, da Austrália, cujo valor do investimento soma US$ 5,4 bilhões. “Temos mais quatro assinados, cinco na mesa do governador para marcar a data (de assinatura). Há também outros sete projetos em finalização para encaminharmos à PGE e que já foram definidos com os empresários. São 16 grandes grupos econômicos interessados em investir em hidrogênio verde”, disse Maia.

“Se conseguirmos implantar pelo menos 50% desses projetos, será um grande feito extraordinário para o futuro do Ceará. São grandes empresas e investimentos que, um pelo outro, oscilam entre US$ 4 bilhões e US$ 6 bilhões, dependendo do tamanho do empreendimento”, adiantou.

Pontou ainda que o Ceará não depende do repasse de energia elétrica de outras regiões.

“O Estado produz três vezes o que consome em energia elétrica, sendo 4,7 GW e deverá chegar a 7 GW. Com o projeto de transformar o Ceará no grande polo de hidrogênio verde para exportar para o mundo, nós vamos desenvolver não somente uma indústria de bens. Será o nosso carro-chefe”, afirmou.

Licenciamento ambiental célere

Para destoar no cenário mundial do hidrogênio verde, o titular da Sedet falou que o Estado precisa entender a questão dos licenciamentos ambientais.

Destacou que ocorreu uma reunião entre os secretários do Governo Camilo e o governador para discutir o assunto. “Boa parte do seu secretariado estava presente (no dia 13 de setembro). Para ser um grande player na produção de hidrogênio no mundo, precisamos aprender a licenciar esses projetos. Licenciar com agilidade. Se não fizermos isso, outro Estado pode fazer”, argumentou.

Veja novamente o Colloquium com o secretário da Sedet, Maia Júnior: