Lula vai a Montevidéu para tentar salvar Mercosul de acordo entre Uruguai e China

Para encerrar a primeira viagem internacional do mandato, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) desembarca nesta quarta-feira (25) em Montevidéu após dois dias de agendas em Buenos Aires (Argentina).


Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Para encerrar a primeira viagem internacional do mandato, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) desembarca nesta quarta-feira (25) em Montevidéu após dois dias de agendas em Buenos Aires (Argentina). Na capital do Uruguai, Lula vai se encontrar com o presidente Lacalle Pou de olho nas negociações por um acordo entre a nação vizinha e a China, algo visto com maus olhos por defensores do Mercosul, como o presidente.

Em nota oficial, o Ministério das Relações Exteriores diz que o fortalecimento do Mercosul é uma das prioridades do governo brasileiro. “A visita evidenciará a centralidade atribuída pelo Brasil ao relacionamento com o Uruguai e a importância que confere ao sócio dentro do projeto de fortalecimento do Mercosul”, afirma o Itamaraty. Na terça-feira, ainda em Buenos Aires, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, declarou que não conhece os termos do acordo em negociação entre Uruguai e China

O dia de Lula em Montevidéu começa com o encontro com o presidente Lacalle Pou, às 12h, na sede do Executivo local, seguido de pronunciamento à imprensa. Às 15h, recebe a medalha oficial “Más Verde”. “Um reconhecimento aos esforços feitos pelo presidente Lula em defesa do Meio Ambiente, tanto em seus mandatos anteriores, quanto em suas declarações e ações recentes”, justifica o Palácio do Planalto.

No final da tarde, o petista se encontra com o ex-presidente uruguaio José Mujica, seu amigo pessoal, e volta para Brasília em seguida.

Acompanham Lula na viagem presidencial a primeira-dama Janja da Silva e os ministros Haddad, Mauro Vieira (Relações Exteriores), Luciana Santos (Ciência, Tecnologia e Inovação) e Márcio Macêdo (Secretaria-Geral da Presidência). O assessor especial da Presidência para assuntos internacionais, Celso Amorim, também integra a comitiva.

Agência Estado