Izolda para o Ministério da Educação ou para Prefeita de Fortaleza? Pode ser os dois

Brasil precisa priorizar a educação de crianças e adolescentes. Izolda tem a melhor experiência entre todos para tal. Isso não elimina uma potencial candidatura a prefeita em 2024


Por Fábio Campos
fabiocampo@ocus.jor.br

De uma forma espontânea e com sugestão oriunda de setores os mais amplos e apartidários, o nome da governadora Izolda Cela vem sendo cogitado para o Ministério da Educação.

Já disse em outro texto (veja aqui) que a sua escolha (ou não escolha) para tão importante função será determinante para entender a cara e as motivações do próximo Governo de Luís Inácio Lula da Silva.

Izolda e sua trajetória têm a cara do que importa: o ensino fundamental e médio. O oposto disso é a priorização do ensino superior, baseado numa opção ideológica e militante. No caso, ganhar corações e mentes da massa de jovens das camadas mais pobres financiando a sua entrada em faculdades e afins de nível quase sempre duvidoso.

Meus caros, a pretensa universalização de um diploma universitário banalizado não é o melhor sinal de desenvolvimento e libertação cidadã de um povo nem aqui e nem na China.

Uma coisa não elimina outra. Na verdade, são complementares. Priorizar as fases anteriores do ensino não quer dizer que não haverá estímulos importantes para melhorrar a qualidade das ecolas superiores e nem para facilitar a entrada de estudantes da escola pública nas universdades.

Cristovam Buarque, ex-reitor da UNB, ex-governador de sucesso do DF, caiu do Ministério da Educação (foi demitido por Lula numa ligação via celular) justamente por ter em mente projetos como a federalização do ensino básico e médio. Sabia ele (e continua sabendo) que é esse o ponto que faz a diferença entre desenvolvimento e subdesenvolvimento.

Bom, com Fernando Haddad na Educação sabemos bem o que se deu: multiplicação de cursos superiores deploráveis que encheram os bolsos de alguns poucos aqui e alhures. Muitos deles hoje financiam políticos e jatinhos para políticos.

Porém, há outros caminhos que podem se colocar diante da governadora após 1º de janeiro. Um deles está a uma distância temporal de menos de dois anos: a Prefeitura de Fortaleza.

A julgar pela conjuntura de hoje, minha aposta é que Cela seria a favorita.

Fábio Campos

Jornalista graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC), foi repórter de política e articulista do O Povo, o mais tradicional veículo de jornalismo impresso do Ceará, onde editou a Coluna Política por 14 anos (1996-2010) e a Coluna Fábio Campos por sete anos (2010-2017). Também foi editorialista do mesmo veículo entre 2013 e 2017. Concomitantemente às funções no jornal, editou o Anuário do Ceará por 15 anos, modernizando o conteúdo e o projeto gráfico da prestigiada publicação. Apresentou o programa Jogo Político na TV O Povo por 12 anos, ancorou o programa Contraponto na TV Cidade (Record), foi comentarista de política na TV Jangadeiro (SBT) e na rádio O Povo/CBN. Em agosto de 2017 iniciou a startup Focus.jor.