Intérpretes atendem comunidade surda na pandemia: “temos muitas demandas”

Há demandas para interpretação médica, jurídica, policial, INSS, Sine IDT, dentre outras


Foto: Divulgação/Governo do Estado do Ceará.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Durante o isolamento social, a Central de Interpretação de Libras (CIL) está atendendo remotamente e presencialmente, se necessário a comunidade surda, promovendo autonomia e acesso aos serviços públicos. A Central integra a Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para Pessoa Idosa e Pessoa com Deficiência (Copid) da Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos (SPS).

A coordenadora da Copid, Vyna Leite, explica que há demandas para interpretação médica, jurídica, policial, INSS, Sine IDT, dentre outras. “Neste período de isolamento social estamos recebendo muitas solicitações das áreas da saúde e segurança. Temos muitas demandas de hospitais, Promotoria de Justiça, Delegacia de Proteção a Pessoas com Deficiência e da própria Casa da Mulher Brasileira, por conta do aumento no número de denúncias de violência contra a mulher surda”, destaca a coordenadora.

A CIL Ceará reúne três intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (Libras): Aljaniele Amorim, Fabiano Farias e Michael Silva. Os profissionais auxiliam pessoas com deficiência auditiva, surdos e surdocegos com tradução e interpretação da linguagem de sinais.