Instituto Butantan anuncia que eficácia global da CoronaVac é de 50,38%

Apesar de se tratar de uma porcentagem menor do que as anunciadas anteriormente, a perspectiva ainda é otimista, já que os testes mostram bons resultados em casos leves e graves: 50,4% contra a infecção; 78% contra a forma leve e 100% contra a forma grave da doença


Governador de São Paulo (esquerda), João Doria, é um dos defensores da CoronaVac. Foto: DivulgaçãoCorona

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O Instituto Butantan divulgou, em coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira, 12, mais informações a respeito dos resultados dos testes feitos com a vacina chinesa CoronaVac. De acordo com o Instituto, a eficácia global do imunizante é de 50,38%.

A eficácia global mostra a capacidade de proteção em todos os casos, leves, moderados ou graves. Apesar de se tratar de uma porcentagem menor do que as anunciadas anteriormente, a perspectiva ainda é otimista, já que os testes mostram bons resultados em casos leves e graves: 50,4% contra a infecção; 78% contra a forma leve e 100% contra a forma grave da doença.

Além disso, o número mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e também pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é de 50%. Isso significa que o imunizante desenvolvido pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Butantan tem eficácia global acima do exigido. “Essa vacina tem segurança, tem eficácia, e todos os requisitos que justificam o uso emergencial”, afirmou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, durante a coletiva.

“A gente tinha previsto que a vacina tinha que ter uma eficácia menor em casos mais leves e uma eficácia maior em casos moderados e graves. Nós conseguimos demonstrar esse efeito biológico esperado. Esta é uma vacina eficaz. Temos uma vacina que consegue controlar a pandemia através deste efeito esperado, que é a diminuição da intensidade da doença clínica”, afirmou o diretor de pesquisa do Instituto Butantan, Ricardo Palácios, ao apresentar os dados do estudo.