II Fórum da Economia Criativa debate importância da criatividade e empreendedorismo

Transmitido pelo Youtube da Fenacce, o II Fórum da Economia Criativa continua nesta terça-feira, 28, a partir das 16h30


Foto: Divulgação

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Tendo como foco a criatividade e o empreendedorismo como potencialidades transformadoras da sociedade, o II Fórum da Economia Criativa apresentou, nesta segunda-feira (27), considerações e cases de profissionais ligados aos diversos aspectos da temática entre setor público e privado. A iniciativa faz parte do Circuito Fenacce com uma série de ações online e gratuitas que antecedem a Feira Nacional do Artesanato e Cultura (Fenacce), a ser realizada em setembro no Centro de Eventos do Ceará.

Durante o primeiro painel “Economia Criativa como Estratégia de Desenvolvimento”, mediado por Circe Jane, diretora do Sindieventos, foram levantadas ideias e estratégias relacionadas à convergência de criatividade e patrimônio, arquitetura, estrutura das cidades e design. Para o assessor da Vice-Prefeitura de Fortaleza e Ponto focal da Rede de Cidades Criativas da UNESCO, Alberto Gadanha, é possível entender a economia criativa como uma maneira de desenvolver a cidade de forma sustentável.

“Quando a gente pensa em criatividade, as vezes pensa só na parte artística, da inspiração, da ideia, mas esquece que a criatividade está ligada à ideia de atividade, de algo que realmente é colocado em prática como o design urbano que Fortaleza tem recebido, por exemplo, no projeto de micro parques, no uso de bicicletas, criação do distrito cultural e outros. E é nisso que a Rede de Cidades Criativas da Unesco acredita, no desenvolvimento de um lugar a partir da criatividade, a intenção é compartilhar projetos para atingir objetivos maiores, soluções para desafios em comum”, afirma.

De acordo com Lucas Rozzoline, Presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Ceará e Diretor do ZZARQ, para traçar estratégias e planejar a cidade com criatividade é fundamental entender o que se tem e como produzir algo que estimule a economia, a relação entre pessoas e o meio ambiente. “Precisamos parar de desenhar coisas e desenhar projetos. Temos uma grande demanda por espaços públicos, por exemplo, o Meireles não tem nenhuma praça. E é possível ver boas práticas de espaços urbanos em Fortaleza em que a utilização é intensa seja com esporte ou área de lazer”.

Empreendedorismo jovem

O segundo painel trouxe a temática “Juventude Empreendedora – Como Inovar Produtos e Serviços Criativos”, mostrando cases de sucesso na educação, gastronomia e políticas públicas. Na rede estadual de escola profissional, por exemplo, o empreendedorismo é posto como uma unidade curricular a partir do 1º ano do ensino médio. E essa metodologia tem sido um grande aliado da educação, segundo o professor Tiago Reial, “as noções de empreender trazem ao aluno coragem, ousadia, atitude, ajudando-os a vencer grandes desafios não só na vida pessoal, mas na carreira profissional. O jovem percebe que é capaz de trilhar caminhos escolhendo para onde vai e se percebe como um agente que faz e transforma”, aponta.

No campo das políticas públicas, Davi Gomes, secretário da juventude em Fortaleza, também apontou a economia criativa como potencial para mudar a realidade de jovens que enfrentam o grande desafio do desemprego. Segundo a pesquisa “Ativação econômica e empreendedorismo”, realizada pelo órgão público durante a pandemia, mais de 84% dos jovens são dependentes financeiramente e 35% dos entrevistados estão procurando o primeiro emprego. “Nesse cenário, 38% queriam ter o próprio negócio, o que nos mostra que muitos jovens viram aflorar o espírito empreendedor por conta da necessidade. Quando se tem um método, um processo, a criatividade pode se tornar um negócio, transformando o seu fazer em algo que gere receita, gere renda e uma perspectiva de futuro”.

Transmitido pelo Youtube da Fenacce, o II Fórum da Economia Criativa continua nesta terça-feira, 28, a partir das 16h30, com os painéis “Gestão do Conhecimento: Atividades Criativas que Expressam Artesanato” e “Gestão do conhecimento: Atividades criativas que expressam Moda”. A troca de experiências e debates do Circuito Fenacce, para Stella Pavan, organizadora da Fenacce e presidente do Sindieventos Ce, tem como propósito ampliar o conhecimento dos participantes da Feira para novos projetos e capacitações.