Guedes afirma que “preço do arroz subiu porque condição de vida dos pobres melhorou”

Para o ministro da Economia, como o auxílio foi forte e houve extensão por mais quatro meses, além do crédito e do FGTS, houve enxurrada de dinheiro concentrada nos mais frágeis


Ministro da Economia, Paulo Guedes. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil.

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Paulo Guedes disse durante o evento Painel Telebrasil 2020, que a retomada do país em V é uma realidade e que a inflação dos alimentos e do material de construção é reflexo de maior consumo pelas classes beneficiadas pelo auxílio emergencial. “Prestem atenção nos sinais e não na barulheira”, disse.

“Quando eu falava que a retomada do Brasil seria em V, diziam que era otimismo. Agora é realismo, porque a economia está voltando em V, reagiu bem às medidas e à prorrogação do auxílio emergencial”, afirmou.

“Além disso, tem R$ 37 bilhões entrando do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), mais R$ 100 bilhões em crédito. A economia vai ser empurrada fortemente neste fim de ano. Já está reagindo bem”, salientou.

Para o ministro da Economia, como o auxílio foi forte e houve extensão por mais quatro meses, além do crédito e do FGTS, houve enxurrada de dinheiro concentrada nos mais frágeis.

Guedes reconheceu que há também efeito de exportações de alimentos e alta do dólar na inflação. “Mas vem uma supersafra pela frente. Abrimos as importações com tarifa zero, portanto essa alta é temporária. É um problema transitório. Inflação é quando a alta de preços é generalizada”, explicou.

“O preço do arroz está subindo porque eles estão comprando mais – está todo mundo comprando mais. Além disso, tem as exportações e subiu o dólar também”, argumentou o ministro da Economia, na live.