Girão se diz contra CPMF e dispara contra Guedes: “não é aceitável”

O imposto, que irá incidir sobre transações financeiras digitais, é proposto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, na reforma tributária


Senador Eduardo Girão (Podemos-CE). Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) declarou ser contra a “nova CPMF” do Governo. O imposto, que irá incidir sobre transações financeiras digitais, é proposto pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, na reforma tributária.

“Sou contra a CPMF e acredito que isso não é aceitável nesse momento onde a carga tributária já é muito grande”, explica o senador. Comparado com a antiga Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, criada em 1997 e extinta em 2007, o imposto sobre transações financeiras digitais é uma proposta do Governo Federal que ainda não foi apresentada oficialmente para o Congresso Federal.

Ele afirma que a reforma tributária tem uma série de benefícios. “Vejo com bons olhos uma reforma tributária para simplificar. Esse é um movimento interessante que está sendo feito tanto pelo Poder Legislativo quanto pelo Poder Executivo”, pontou.

O parlamentar ainda destacou a questão da reforma administrativa. “É a partir de um enxugamento da máquina pública se pode sonhar com uma redução de impostos na reforma tributária. em que diminuir urgentemente a burocracia do País para que a gente possa ter fôlego, com o nosso povo criativo, com as pessoas trabalhadoras que nós temos, para conseguir avançar e crescer em todos os aspectos,inclusive na geração de empregos”, completou.