Girão critica OMS por defender aborto como “medida essencial” durante pandemia da COVID-19

"Com apoio ao aborto, fica evidente a questão ideológica e o compromisso da OMS com a política", disparou o parlamentar cearense


Eduardo Girão. Foto: Roque de Sá/Agência Senado

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

O senador Eduardo Girão criticou o posicionamento da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a questão que trata o aborto como “medida essencial” durante a pandemia da COVID-19.

“Com apoio ao aborto, fica evidente a questão ideológica e o compromisso da OMS com a política”, disparou o parlamentar cearense.

“Após o anúncio, a OMS revela ser uma casa política que não leva a ciência a sério e isso é muito preocupante, serve de alerta para todos. Como uma organização que se propõe defender a vida apoia o assassinato de crianças? Não é só a vida de uma criança que é covardemente atacada, mas a saúde física e mental da mulher dica devastada após a pratica o aborto”, pontou Girão.

No último sábado, 4,  a OMS declarou que “os serviços relacionados à saúde reprodutiva são considerados parte dos serviços essenciais durante o surto de COVID-19. Isso inclui métodos contraceptivos, cuidados de saúde de qualidade durante e após a gravidez e o parto e aborto seguro em toda a extensão da lei”. O documento referia-se aos Estados Unidos, um dos países mais afetados pela onda de coronavírus. Nas últimas 24, quase 2 mil pessoas pereceram para a doença. Ao todo, são 10 mil mortes por conta da COVID-19.