Frota de carros elétricos cresce e atual modelo de postos de combustíveis tende a ser extinto

Trata-se de uma tendência mundial. A pressão por menor emissão de poluentes e ruas mais silenciosas está se impondo em todos os países


Carros elétricos no modelo de compartilhamento em Fortaleza: sem uso de combustíveis fósseis e não poluentes. Movido à energia elétrica, esse tipo de automóvel é tendência mundial que vai tomar as ruas. Imagem: divulgação.

Por Fábio Campos
fabiocampos@focus.jor.br

O atual modelo dos postos de gasolina estão com os dias contados. O mundo adere rapidamente aos carros elétricos. Vejam o caso da Noruega: o país escandinavo vizinho à Suécia se tornou o primeiro do mundo em que os automóveis movidos à eletricidade representaram mais de 50% dos novos emplacamentos nos 12 meses de 2020.

Trata-se de uma tendência mundial. A pressão por menor emissão de poluentes e ruas mais silenciosas está se impondo em todos os países. Vejam o caso de Fortaleza: partiu da Prefeitura a primeira iniciativa nesse sentido ao colocar a serviço dos usuários uma frota compartilhada.

Os postos de gasolina, com modelos mistos entre a venda de combustíveis fósseis e lojas de conveniência, vão ter que se adaptar ao futuro que se impõe.

O carro elétrico carrega uma série de benefícios: são menos poluentes, mais silenciosos, mais eficientes no consumo de energia, menores custos de abastecimento e menores custos de manutenção.

E olha que a Noruega é o maior produtor de combustíveis do oeste da Europa. No entanto, uma política fiscal vantajosa fez saltar a venda dos carros elétricos. Lá, o objetivo de que todos os carros tenham “zero emissões” até 2025.