Fotógrafo cearense Gentil Barreira lança vídeo para mostrar trajetória artística


Fotografia autoral

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Projeto Sais de Prata apresenta acervo analógico do fotógrafo entre os anos 70 e 90

O fotógrafo cearense Gentil Barreira lançou um vídeo para falar de sua trajetória artística. Além de revisitar memórias, coleções e acervo analógico, a película também mostra sua relação com a  a fotografia, incluindo o processo de criação, as linguagens estéticas e poéticas, as experiências e as experimentações.

Com direção e roteiro de Tibico Brasil e curadoria e participação especial de Patrícia Veloso, o curta-metragem faz parte do projeto Sais de Prata – 1970 a 1990, que apresenta ao público a expressiva produção analógica autoral do fotógrafo. O vídeo apresenta ao público cerca de 30 obras, entre inéditas e premiadas, que compõem acervos e coleções de instituições culturais e integraram salões e exposições e individuais e coletivas.

A iniciativa possibilitou também um resgate, preservação de um material perecível e que está em risco, garantindo sua permanência e longevidade, e divulgação da produção fotográfica do Ceará realizada há mais de 4 décadas, com imagens pouco conhecidas do público, pois algumas estão resguardadas em acervo particular. As obras especialmente selecionadas, oriundas dos originais cromos nos mais diversos formatos, negativos cor e P&B, passaram por um processo de digitalização e tratamento.

O filme é narrado pelo próprio artista em meio às fotos emblemáticas, o que possibilita uma conversa direta e emocionada sobre seu percurso criativo a partir de imagens que sobreviveram ao tempo, capturadas desde o início de sua experiência com a linguagem fotográfica e os relatos contam também com participação especial de Patricia Veloso.

Além do lançamento do vídeo, o projeto prevê ainda a realização de palestra voltada a estudantes e professores de uma escola pública em Fortaleza com tema relacionado à produção fotográfica cearense, que será realizada em momento posterior em razão da pandemia.

O artista

Autodidata, iniciou as primeiras experiências com fotografia aos 11 anos, montando um pequeno laboratório para revelar seus filmes. Estudou Arquitetura e Urbanismo em São Paulo, mas antes de concluir resolveu voltar a Fortaleza, onde vive até hoje. Ingressou e frequentou por dois anos o curso de Comunicação na UFC, período em que profissionalizou-se como fotógrafo.

A influência dos experimentos da Arquitetura e os conceitos e ideias da comunicação marcaram de forma decisiva seu trabalho e as pesquisas que desenvolve com a fotografia. Para atender aos segmentos de publicidade, moda, retratos e arquitetura, montou um estúdio e vem atuando nesse mercado até o momento. Desenvolve paralelamente trabalho autoral com foco na pesquisa documental e em estudos de luz e movimento. Realizou diversas exposições individuais e participou de importantes coletivas, no Brasil e no exterior. Sua obra, diversas vezes premiada, está presente em acervos de instituições culturais e representada em livros, catálogos, revistas e sites.