Fortaleza registrou quarto mês com mais mortes do que nascimentos em sua história, revela estudo

É o que revela um estudo da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil)


Cemitério. Foto: Freepik

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

Fortaleza registrou o segundo mês consecutivo de sua história onde o número de óbitos superou o de nascimentos. É o que revela um estudo da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen-Brasil).

“Com cerca de 2,6 milhões de habitantes, a capital do Estado do Ceará tem até esta sexta-feira (30.04) 3.108 óbitos e 2.655 nascimentos feitos em Cartórios de Registro Civil no mês abril. O número repete fenômeno observado em março, que teve 3421 óbitos e 2473 nascimentos, se tornando o quarto mês onde as mortes superaram os nascidos vivos”, destaca a pesquisa.

A queda na diferença entre nascimentos e óbitos em Fortaleza vinha ocorrendo de forma gradual ao longo dos anos, mas se acentuou de forma contundente com a pandemia da COVID-19.

Em abril e maio de 2020, a cidade já havia registrado mais óbitos do que nascimentos, 116 e 2.358 respectivamente. “Com o agravamento da pandemia, o fenômeno voltou a se repetir este ano, com março registrando 948 falecidos a mais do que nascidos vivos, número que caiu para 453 em abril”, complementa o levantamento.

Os dados preliminares, uma vez que registros de abril ainda podem ser lançados, constam no Portal da Transparência do Registro Civil, base de dados abastecida em tempo real pelos atos de nascimentos, casamentos e óbitos praticados pelos Cartórios de Registro Civil do País. As informações foram cruzadas com s dados históricos do estudo Estatísticas do Registro Civil do IBGE.