Existe idade média para ocupar um cargo de coordenador ou gerente? Por Bruno Cunha


Bruno Cunha, Headhunter & Consultor de Carreira. Especialista em atendimentos profissionais que tem por objetivo contribuir para o crescimento hierárquico, alcance de melhores salários, desenvolvimento de carreira e recolocação profissional. Foto: Divulgação

As questões relativas à idade no ambiente corporativo costumam ser polêmicas e levantam algumas problemáticas. De um lado, existe a demanda cada vez mais presente por oportunidades para pessoas acima de 45 anos. De outro, existem empresas que trabalham com padrões rígidos relativos à idade.

Outra questão que se costuma colocar em pauta é a idade média para cargos de coordenador ou gerente. A idade média para ocupar um cargo na coordenação de uma empresa é de 32 anos, sendo que a média para cargos de gerência é de 38 anos.

Em uma realidade em que as pessoas ingressam cada vez mais tarde no mundo do trabalho, é importante pontuar algumas questões como a idade versus cargos na carreira. Durante a carreira, muitos profissionais negligenciam a cronologia da idade frente ao gerenciamento da vida profissional e esta falta de visão pode trazer inúmeras consequências, inclusive o comprometimento da empregabilidade.

Mas por que razão pode comprometer a empregabilidade? Vamos a um caso muito comum: imagine um profissional aos 40 anos ocupando um cargo operacional realizando atividades de execução há mais de 10 anos, e de repente ele foi demitido e vai buscar recolocação no mercado. Com quem ele irá concorrer para o mesmo cargo?

Concorrerá com profissionais mais jovens, mais baratos e mais atualizados. Ou seja, tal situação gera um gargalo na carreira, pois esse profissional começa a ficar muito caro em termos de remuneração e tal fator impacta diretamente na sua volta ao mercado de trabalho.

Diante deste fato, então pode-se concluir que todo profissional é obrigado a assumir cargos de liderança? Não. Mas ter a consciência que não assumir um cargo maior vai trazer, mais cedo ou mais tarde, consequências para a vida profissional. E a partir desta consciência decidir seguir a diante ou não na jornada de carreira.

Como Consultor de Carreira, sempre reforço aos meus assessorados: o direito de escolha é dele, mas sempre deve ser acompanhado de lucidez e consciência dos ganhos e perdas na carreira.

O gerenciamento da carreira é essencial frente ao processo de avanço da idade. Determinar as próximas fases da carreira e suas metas é imprescindível. Além disso, saber quais são os objetivos e aonde se quer chegar faz com que o caminho seja melhor estruturado e não se perca tanto tempo em tarefas que podem não contribuir para estes objetivos. O autoconhecimento é essencial para a construção de uma carreira sólida.

Se as pesquisas mostram que é possível alcançar um cargo de coordenação aos 32 e a gerência aos 38, isso se deve, sobretudo, ao trabalho desempenhado na organização desta carreira. Muitos profissionais são levados a caminhos outros que podem não fazer muito sentido em retrospecto. Portanto, alinhar a qualificação, a experiência e a idade, torna-se um grande desafio para qualquer carreira.