Ex-presidente da Câmara de Maracanaú vai ser processado por peculato e lavagem de dinheiro

Carlos Alberto Gomes de Matos Mota, que se encontra preso preventivamente, vai responder por também por associação criminosa com outros 11 funcionários da Câmara.


Carlos Alberto Gomes de Matos Mota encontra-se preso preventivamente. Foto: Câmara de Maracanaú

Equipe Focus
focus@focus.jor.br

A justiça de Maracanaú acatou a denúncia feita pelo Ministério Público contra o o ex-presidente da Câmara Municipal de Maracanaú, Carlos Alberto Gomes de Matos Mota, e mais 11 pessoas que exerciam cargos em comissão junto à referida Casa Legislativa Municipal. Os 12 foram denunciados pelos crimes de associação criminosa, peculato e lavagem de dinheiro. O ex-presidente da Câmara encontra-se preso preventivamente.

Segundo o MP, Matos Mota comandava um esquema de corrupção que envolvia a participação de servidores da Câmara, que atuavam como “servidores fantasmas” – não compareciam fisicamente ao trabalho e ainda exerciam atividades paralelas aos cargos. De acordo com a denúncia, os servidores fantasmas recebiam uma espécie de “corretagem” pela utilização dos respectivos nomes na folha de pagamento, ou seja, eram beneficiados na contagem de tempo de contribuição com uma aposentadoria privilegiada com altos valores.

Os promotores também constataram a existência de “rachadinha”, ou seja, parte da remuneração dos funcionários comissionados era desviada após o recebimento para supostas contas de terceiros, que tinham como beneficiário final o ex-presidente da Câmara.